Pular para o conteúdo principal

Em busca dos formatos matadores em Mobile Marketing

Quando teremos os 30 segundos ou a página dupla do mobile marketing? Essa é a minha briga diária no mercado: construir formatos consistentes e vencedores. Contudo, a busca pela inovação constante acaba se tornando uma grande armadilha para os meios digitais, em especial o mobile.

É a síndrome do “já fizeram isso antes?”. Situação sempre curiosa que enfrento em agências. Se já fizeram, o valor da idéia é dizimado instantaneamente. Se não, é melhor correr para colocar a ação no ar e fazer algo genuinamente inovador.

Bobagem. Inovar é sempre mais desafiador no conteúdo e não no formato. Para qualquer meio se tornar minimamente consistente, é importante que tenha formatos claramente definidos. Parece contraditório, mas não é. Com formatos melhor definidos, a criação pode ser mais indefinida, inovadora e genial.

Quando se trata de uma nova plataforma como o celular, o desafio é duplo. Afinal, não basta ser inovador por simplesmente utilizar mobile na campanha, é preciso ser um formato único. Com isso, não se cria histórico, não se obtém escala e, por fim, não se cria um meio sustentável.

Com o mercado em ebulição, temos visto dezenas de iniciativas em mobile marketing e mobile advertising. Por tentativa e erro, alguns formatos têm se mostrado vencedores. Por similaridade a outros meios, temos dois grandes formatos que se destacam: mobile ad banners em portais WAP das operadoras e banners WEB interativos (com disparo de SMS ou torpedo de voz).

Há outro formato que vem se firmando nos últimos tempos, que chamamos de web-video-call: ao visualizar um vídeo na web, há disparo de uma ligação em sincronia com o que se assiste. Muitas marcas têm investido nesse formato. Nos últimos meses, já houve campanhas da Reach One (Johnson&Johnson), Gol, Carrefour, Natura, L’Oreal e TIM, entre outras. Como já era de se esperar, sempre há críticas e alertas para o desgaste do formato, o que não faz sentido num universo de pouco menos de uma dúzia de campanhas.

Ora, a dupla de abertura da Veja tem seu formato inalterado há décadas. Cabe aos criativos inovar no seu uso, no que recheia aquelas valiosas páginas. Na WEB, também já há os formatos matadores, como a Tab do Messenger. Desafiador é o que carregar na aba e não em criar novos formatos de destaque no comunicador instantâneo.

O mesmo deve ser aplicado ao mobile marketing. Precisamos nos preocupar mais com criação de campanhas inovadores e não em formatos únicos e inéditos. Feito isso, podem apostar, o mobile marketing ganhará uma linha no plano de mídia das grandes marcas.


Fonte: Por Leonardo Xavier, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …