Pular para o conteúdo principal

Fundo soberano da Noruega vende Rio Tinto por dano ambiental

O fundo soberano da Noruega vendeu toda a sua participação de 850 milhões de dólares no grupo de mineração Rio Tinto, acusando a empresa de dano ambiental na Indonésia, informou o governo norueguês nesta terça-feira.

O fundo concentra recursos gerados pelo petróleo e gás da Noruega em ações e bônus estrangeiros. É o maior investidor em ativos da Europa, mantendo em média cerca de 1 por cento das ações listadas no continente.

O Ministério das Finanças excluiu a companhia do fundo de 375 bilhões de dólares, como parte de um movimento por investimentos éticos. O governo vendeu no primeiro semestre de 2008 ações da Rio Tinto que no final de 2007 equivaliam a um total de 4,85 bilhões de coroas (855,5 milhões de dólares).

O fundo investe sob certas diretrizes éticas definidas pelo governo. No passado, o fundo excluiu companhias fabricantes de armas nucleares ou de munições de fragmentação e aquelas consideradas responsáveis por danos ambientais, ou que abusaram de trabalhadores ou violaram direitos humanos.

O fundo soberano da Noruega está sendo avaliado pela comissão interministerial criada pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva para traçar diretrizes de exploração do petróleo da área pré-sal, uma faixa que se estende do Espírito Santo a Santa Catarina em águas ultra-profundas da costa brasileira.

Com o uso do fundo o país que arrecada muitos recursos com o petróleo pode investir fora do país e evitar um surto inflacionário.

A ministra da Economia da Noruega, Kristin Halvorsen, afirmou que os problemas do fundo com a Rio Tinto, segunda maior produtora de minério de ferro do mundo, envolvem uma joint-venture com a Freeport McMoRan, grupo excluído pelo fundo em 2006, na mina Grasberg, na Indonésia.

"A mina Grasberg despeja quantidades muito grandes de resíduos diretamente no sistema natural fluvial; aproximadamente 230 mil toneladas ou mais por dia", disse a ministra em comunicado, acrescentando que não vê nenhuma mudança sendo tomada sobre o problema.

O porta-voz da Rio Tinto Nick Cobban, afirmou que a empresa tem "um histórico exemplar em questões ambientais e elas recebem a prioridade mais alta em tudo o que fazemos."

"O atual sistema de resíduos é inquestionavelmente o mais apropriado, dado os altos índices de chuva e geologia sismologicamente instável da região", disse Cobban.

"Estamos muito confortáveis de que eles (Freeport) de fato têm padrões muito elevados e as acusações não são corretas", disse o porta-voz.


Fonte: Por John Acher - Reuters, in portalexame.abril.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …