Pular para o conteúdo principal

Já viu as pirâmides?, por Max Gehringer

CEO é uma sigla que tanto pode significar "sucesso" quanto "armadilha". O lado mais visível do cargo é aquele respeito - às vezes, o "r" vira "d" - que os interessados em habitar a cobertura do organograma demonstram para com o inquilino do momento.

Chega a ser emocionante observar os esforços dos colaboradores mais próximos para blindar o CEO, fazendo o possível para que não seja incomodado, perturbado, enervado ou, não raramente, até mesmo encontrado. Por outro lado, o CEO é um prisioneiro da própria agenda, e posso afirmar por experiência própria que um CEO preferiria não participar de pelo menos 50% dos compromissos que exigem sua presença. Reuniões, almoços, jantares, eventos, entrevistas. Um CEO me contou que se sente meio constrangido por não se lembrar de pessoas com as quais compartilhou um jantar na noite anterior. A repetição faz com que essas cerimônias profissionais comecem a se parecer com viagens aéreas: a comida é sempre a mesma, e os passageiros são exatamente isso, passageiros.

Lembro-me bem do dia em que fui promovido a CEO. Cumprimento daqui, abraço dali, votos de sucesso cá e acolá. Eu já sabia, por informações de outros CEOs, que minha vida iria mudar. E a maioria me deu, com pequenas variações na forma, o mesmo conselho: aproveite, mas não se acostume. Por isso, quando fui solicitado a dizer alguma coisa, eu disse: "Ser CEO é como fazer uma viagem ao Egito para ver as pirâmides. Vale a pena, mas uma vez só na vida. E bem rapidinho". Quase ninguém entendeu. Mas todos riram, porque agora eu era o CEO.

Durante minha estadia no cargo, me coloquei dois objetivos: fazer mais do que a corporação esperava que eu fizesse e planejar o que fazer quando deixasse de ser CEO. Não que não gostasse de ser CEO, muito pelo contrário. Curti bastante. Mas curti muito mais quando deixei de ser e passei a dedicar meu tempo a mim mesmo e à minha família. Escolhi ser escritor, um sonho acalentado desde a infância, mas cada CEO sempre tem seu projeto pessoal intimamente reservado para "um dia".

A armadilha da função está em adiar indefinidamente esse "um dia", até descobrir que o tempo deixou de ser um aliado e começou a ser um fardo. Por isso, uma notícia aparentemente ruim pode ser a chave para o futuro. Um CEO dura cada vez menos no cargo. O CEO vitalício do século 20 já deu lugar ao CEO "de passagem" do século 21. Quando um CEO é despedido pela primeira vez, a reação natural é aceitar o primeiro convite para ser novamente CEO e provar, a si mesmo e ao mundo, que a dispensa foi injusta. Na segunda vez em que isso ocorre, já é teimosia. A partir da terceira, vira desperdício de tempo e talento. Tem CEO que adora ser CEO e quer ser CEO até o dia de encontrar o Criador? Tem. E são bem grandinhos para decidir o que é melhor para suas vidas. Essas linhas não pretendem ser uma recomendação. São, apenas, uma singela confissão de quem viu a pirâmide lá do alto.


Fonte: Por Max Gehringer, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …