Pular para o conteúdo principal

Mais do que materiais de ponto-de-venda

Diversas estratégias de Marketing sofrem alterações com o objetivo de melhorar as vendas de um produto ao longo de sua vida no mercado. Mudar o rumo de um planejamento é uma tarefa árdua, porém muitas vezes necessária para atingir um resultado ou apenas para não cansar o consumidor.

No ponto-de-venda, a mesma situação se aplica aos displays e gôndolas disponíveis nas prateleiras, local em que o consumidor tem contato direto com a marca. Empresas de diversos setores investem em materiais de PDV diferenciados para chamar a atenção do público e consumar a venda através de ambientação nas lojas.

Com ou sem tecnologia, o ponto-de-venda faz a diferença e é tema de diversas pesquisas. Empresas especializadas em desenvolver estes materiais aliam suas produções de acordo com a necessidade e objetivo de cada varejista e de cada marca que será exposta no PDV.

Tecnologia nem sempre é o diferencial
A tecnologia está presente em muitos pontos-de-venda e é a principal inovação em gôndolas e displays, mas para oferecer este material é preciso investimento constante. “As tecnologias têm um custo não só da peça, mas também de manutenção e às vezes a necessidade de uma promotora no local”, diz Christiany Zanotto, Diretora Comercial da Az4 em entrevista ao Mundo do Marketing.

De acordo com a executiva da agência especializada em ambientação no ponto-de-venda, os olhos dos consumidores captam diversas informações em pouco tempo e isso requer maior destaque ou impacto de um produto. “Criar ambientações, destacar uma marca ou fazer com que o produto ‘saia’ da gôndola no supermercado é o caminho”, explica Christiany.

Segundo ela, no Brasil, o ponto-de-venda é usado de forma tímida e destaca um caso da Unilever onde um display interativo fazia o diagnóstico do cabelo do consumidor e oferecia o produto ideal da marca. “Agregar valor é ter um diferencial no PDV que realmente atraia o consumidor”, ensina a executiva da Az4.

Destaque para novos produtos e segmentos
Degustação e entrega de amostras grátis no ponto-de-venda são ferramentas usadas pela Josapar, empresa especializada em produtos à base de soja, para destacar as linhas Soy Plus, SupraSoy e as barras de cereais SupraSoy. “Utilizávamos essas ferramentas em algumas praças por tempo determinado. Desde 2007 investimos na visibilidade da marca com adesivos de chão e infláveis de até 3m de altura”, aponta Bianca Maraninchi, coordenadora de Comunicação e Marketing da Supra Soy.

A estratégia de Marketing da Josapar é aplicada em PDVs da região Norte, Nordeste e Sudeste do Brasil onde a concorrência é grande. “No segmento de soja os nossos concorrentes não fazem grandes investimentos em comunicação tirando raros casos de degustação”, diz Bianca ao site.

Detentora da marca de arroz Tio João, a Josapar continuará investindo em produtos de soja e não só no PDV, como em públicos que freqüentam congressos de medicina e saúde. “Apostamos em mídias pontuais em locais específicos e já planejamos para o ano que vem outros materiais para comunicar a linha para cada vez mais públicos diferentes”, ressalta a coordenadora de comunicação e Marketing da Supra Soy.

Tendências e cores ditam a moda do PDV
Com experiência no mercado, trabalho de acompanhando e a ajuda da globalização, a Diretora da Az4 acredita que o consumidor busca dois tipos de display. “Ou o PDV segue a linha global e atende o consumidor em qualquer unidade no mundo ou adota uma linha mais conceitual para atender uma campanha específica”, acredita Christiany.

De acordo com a Diretora Comercial da Az4, acompanhar as tendências dos materiais de ponto-de-venda é semelhante ao acompanhamento da moda. “Temos que acompanhar as cores, formas e estar alinhado com a moda e as tendências. Como aplicar no PDV vai depender da criatividade de cada um” compara Christiany Zanotto.


Fonte: Por Thiago Terra, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …