Pular para o conteúdo principal

Menos vôos e mais reuniões virtuais

Empresas globais começam a reduzir o número de viagens de seus executivos e aumentar a freqüência das reuniões virtuais para enfrentar o preço elevado das passagens aéreas, provocado pela crise do petróleo. A consultoria Accenture instalou 13 salas de videoconferência em escritórios ao redor do mundo e, com isso, deixou de fazer 240 viagens internacionais a cada mês. A IBM e a Procter & Gamble tomaram decisões semelhantes.

As empresas encaram hoje as videoconferências com um olhar menos desconfiado do que no passado. Uma série de avanços tecnológicos nos últimos anos, como processadores mais rápidos, as tornaram atraentes – a falta de sincronia entre imagem e som é coisa do passado. Empresas como a Cisco, a Hewlett-Packard e a Polycom desenvolveram um sistema – batizado de telepresença – que consegue simular quase à perfeição as reuniões realizadas dentro de uma única sala. Mesmo espalhados por diferentes cidades do mundo, os participantes se vêem como se estivessem sentados numa única mesa, graças a telas com resolução superior às das televisões de alta definição, móveis especiais e iluminação – um sistema que custa caro, por volta de US$ 300 mil.

Além de economizar com passagens, as companhias que investem nesses equipamentos ganham agilidade na competição global. “Hoje uma empresa consegue reunir profissionais de diferentes lugares do mundo em minutos ou horas, uma tarefa que, devido às viagens, antes levava dias ou semanas”, afirmou Laurie Heltsley, diretora de projetos estratégicos da Procter & Gamble. Em oito meses, 3 mil viagens de funcionários da companhia deixaram de ser feitas graças ao sistema de telepresença.

Além da economia, a tecnologia contribui para a melhora da imagem ambiental das corporações. Com suas 200 salas de telepresença espalhadas pelo mundo, a Cisco calcula que economiza anualmente US$ 100 milhões em passagens e reduz em cerca de 10% as emissões de gases causadores do efeito estufa provocadas pelo deslocamento de seus profissionais. Graças ao aumento da procura, os fabricantes de tecnologias de comunicação virtual vão faturar US$ 8 bilhões neste ano, de acordo com avaliação da consultoria americana Wainhouse Research. Esse montante deve atingir US$ 12 bilhões em 2012 . “Vivemos uma fase de hipercrescimento”, afirmou Joan Vandermate, vice-presidente da Polycom, a mais antiga no setor, ao jornal The Boston Globe. “A recessão econômica está impulsionando nossas vendas”, diz a executiva.

Embora os especialistas elogiem os benefícios das reuniões virtuais, eles alertam que, em muitos casos, elas não substitutem as viagens. Estas permitem, por exemplo, que seus funcionários conheçam de perto a cultura do país com quem vão negociar.


Fonte: epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …