Pular para o conteúdo principal

A "nanoética" no mundo dos escândalos

É como se vivêssemos nesses dias uma nova fase imposta pelo calendário institucional recente do País: poderíamos chamar essa etapa de "entre-escândalos". Seria o período decorrente entre o mais recente abalo ético brasileiro - a chamada Operação Satiagraha, da Polícia Federal - e o próximo caso que irá incendiar as manchetes, devorar a reputação de algum figurão, hipnotizar a nação perante horas e horas de diálogos suspeitos levados ao ar pela tevê. Quem será o próximo alvo? Quão devastadoras serão as revelações? Nessa rotina nada animadora, chegará o dia em que o caso irá perdendo adrenalina, se sucedera uma nova entressafra - como a atual - até que um novo escândalo surja. E assim por diante.

Nada melhor, então, do que aproveitar essa espécie de recesso dos escândalos nativos para refletir sobre um aspecto que vem permeando todos os abalos de reputação recentes: o descaso com a nanoética, expressão que irei explicar mais à frente. Primeiro, é preciso lembrar como os maiores escândalos dos últimos tempos vêm se processando. Na maioria esmagadora dos casos, são robustas investigações da Polícia Federal que vêm atazanando a vida daqueles que não andam na linha. Mas não se esqueça: por acaso você viu agentes da PF trocando tiros na última operação levada ao ar pela televisão? Viu os policiais federais com suas jaquetas pretas arrebentando portas com metralhadoras nas mãos?

Aí reside uma pista importante: a Polícia Federal hoje poderia ser chamada de Polícia Digital. Seu aparato inclui gravadores de última geração, programas de computadores ultra-sofisticados e equipamentos capazes de escutas ambientais. A arma dos policiais digitais é a tecnologia e seu alvo, a incapacidade de muitos de lidarem com os novos perigos do mundo em que passamos a viver. Vivemos uma revolução que se autoproclama "tecnológica". E tecnologia, na prática, significa que estamos mais próximos dos outros e os outros de nós - sobretudo dos nossos erros. Nossos erros estão mais próximos dos outros e, muitas vezes, nem percebemos. Muitos só se dão conta quando ouvem a própria voz no horário nobre. Mas aí já é tarde, não é mesmo?

Daí porque a nanoética é tão fundamental. Hoje, qualquer negócio, qualquer atividade, consiste em gerir complexas cadeias de confiança. Você precisa confiar no seu fornecedor chinês para fabricar no Brasil o produto que vai vender para os americanos. E ele precisa ser confiável para você. E você para todos os seus parceiros e clientes. O problema é que, cada vez mais, dependemos da confiança que depositamos nos outros e na que somos capazes de inspirar. Uma mínima falha, uma microscópica peça falha e daí o avião cai, o brinquedo põe crianças em risco, o produto pode poluir.

Por isso, não somos mais gestores de produtos ou serviços. Somos administradores de confiança. Nossa reputação estará em jogo em cada mínimo detalhe da complexa cadeia de confiança que nos cabe gerir. Sendo assim, temos que levar nosso cuidado a um nível de preocupação que vá ao detalhe do detalhe do detalhe: para escapar do megaescândalo só mesmo com a prevenção da nanoética.


Fonte: Por Mário Rosa, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 13
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …