Pular para o conteúdo principal

Nokia lidera "ranking verde" do Greenpeace

O Greenpeace publicou nesta terça-feira, 16, em sua página na internet, o ranking das empresas "verdes" que atuam no segmento de produtos eletrônicos. A nona edição do "Greener Electronics Guide" classificou as grandes marcas em função do esforço para eliminarem substâncias tóxicas de suas mercadorias e da reciclagem de seus produtos, entre outros quesitos. A Nokia conquistou o primeiro posto da lista.

As piores classificações foram da Philips, Microsoft, Sharp e Nintendo, respectivamente, que apresentaram resultados considerados insatisfatórios com relação aos critérios exigidos pela ONG. A Nokia - que ocupou a primeira posição na quinta edição o "Ranking Verde de Eletrônicos" - obteve sete dos 10 pontos aferidos graças à "melhora apresentada em sua política de reciclagem de resíduos eletrônicos na Índia".

No que tange à "eficiência energética", o melhor resultado ficou com a Apple, sendo que Nokia e Sony Ericsson ficaram em segundo e terceiro lugar, respectivamente.

A Phillips ganhou destaque por ser "a única empresa que obtém uma pontuação ruim, tanto em matéria de recolhimento de resíduos eletrônicos quanto da reciclagem deles", e situa-se no 11° lugar com uma "penalização por exercer uma pressão negativa sobre a responsabilidade individual do produtor na União Européia".

O Greenpeace posiciona o "Greener Electronics Guide" como um "instrumento dinâmico para o setor" já que as empresas lutam para conseguir uma classificação "verde" e pelo fato de a pesquisa permitir que os consumidores possam utilizá-la para obterem informações sobre o funcionamento das companhias e os produtos na hora de tomarem uma decisão de compra.

De acordo com a instituição, para ser considerada "totalmente verde" a indústria eletrônica deve comprometer-se com o desenvolvimento de produtos "sem substâncias químicas perigosas e energeticamente eficientes, duradouras e recicláveis", e para tanto devem assumir "responsabilidade total" por seus produtos, inclusive quando chegam ao final de sua vida útil, transformando-se em resíduos.

Julio Barea, responsável pela campanha conta a contaminação encabeçada pelo Greenpeace, declarou que os resultados desta edição o deixaram otimista com relação ao futuro "porque a maioria das marcas estão respondendo de forma positiva aos critérios mais severos".


Fonte: www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …