Pular para o conteúdo principal

O empreendedor social

Quando publicamos nossa primeira pesquisa sobre empreendedorismo social, as pessoas que trabalhavam com empreendedorismo em empresas e outras organizações disseram: “Ótimo, mas e quanto aos empreendedores dentro das empresas e do governo?”. Em vista do seu potencial como mediadores entre os negócios e o vasto mundo do empreendedorismo social – além de sua experiência como agentes indutores de mudanças sociais e ambientais de dentro para fora –, dedicamos nossa segunda pesquisa aos intra-empreendedores sociais, principalmente aos que trabalham em grandes companhias.

Os céticos talvez digam que, na condição de funcionários assalariados de uma empresa, essas pessoas não deveriam ser consideradas empreendedoras de fato. É verdade que a maior parte delas não teve de refinanciar a hipoteca de suas casas nem estourou o cartão de crédito para financiar suas empresas. Contudo, elas correm riscos próprios da sua condição. Na verdade, a maior parte dos intra-empreendedores que entrevistamos parece ter abandonado os conceitos tradicionais de crescimento na empresa em busca do que seus colegas provavelmente vêem como uma ambição ou idéia desvairada – respaldada pela convicção de que o negócio pode, e deve, mudar. Tome-se, por exemplo,ocasodeSantiagoGowland, da Unilever. Deixou um emprego lucrativo num banco de investimentos para administrar dois projetos sociais na Argentina. Mais tarde, voltou ao mundo dos negócios porque, achava, as possibilidades de mudar a sociedade eram maiores em empreendimentos de grande envergadura.

Identificamos também outro grupo de agentes críticos nas empresas tradicionais: são os catalisadores, que se dividem em duas espécies. Há os guardiões, isto é, os CEOs, diretoresfinanceiros, membros do conselho de administração etc., a quem cabe dar permissão para a execução de novos tipos de iniciativas. Depois vêm os campeões, que podem ser chefes de empresas ou vice-presidentes de áreas importantes e que ajudam os intraempreendedoresaseequiparempara sua tarefa – apoiando, de maneira crítica, seus esforços no sentido de levar para o dia-a-dia das empresas tradicionais seus projetos em andamento.

Embora muitos desses campeões não sejam responsáveis pelos resultados de suas empresas e, geralmente, não cultivem incubadoras de novos produtos, serviços ou modelos de negócio, são agentes importantes de mudança. Eles trabalham nos sistemas existentes atraindo outros para o campo da ação. Um bom exemplo é o de Maria Luiza de Oliveira Pinto, diretora-executiva de desenvolvimento sustentável do Banco Real. Às vezes, há indivíduos que desempenham ambos os papéis–intra-empreendedor e catalisador –, como é o caso de Maria Luiza, que, além de incubadora de novos projetos, trabalha para que a mudança alcance a empresa toda. Esses profissionais estão ajudando a preparar suas empresas para o futuro.


Fonte: Por John Elkington, com Jodie Thorpe, gerente do programa da SustainAbility para Economias Emergentes, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …