Pular para o conteúdo principal

Para ser bem-sucedida, estratégia precisa alcançar todos os níveis

Para alcançar seus objetivos, as empresas precisam desenvolver formas de mensuração do trabalho. Essa é uma máxima comum no universo da gestão empresarial. O problema se dá na hora de aplicar esse princípio à estratégia corporativa. O uso apenas de indicadores financeiros, por exemplo, costuma ser insuficiente para lidar com as competências atualmente necessárias para se prosperar no cada vez mais competitivo mundo dos negócios.

Assim, o ideal é manter um conjunto de indicadores que proporcionem aos gestores uma visão objetiva e abrangente da companhia. Porém, esse mapa não pode ser do conhecimento de poucos. Desta forma, é necessário simplificar a percepção dos principais executivos da organização e difundi-la entre os colaboradores. A estratégia deve, ainda, ser traduzida em indicadores claros e práticos, que permitam uma avaliação precisa do desempenho dos fatores fundamentais para a realização do plano estratégico inicialmente elaborado. Definitivamente, não é uma tarefa simples.

No Brasil, o banco HSBC conseguiu fugir da armadilha que é desenvolver planos excessivamente elaborados, mas que nunca saem do papel. Desde 2001, por iniciativa de Emilson Alonso, seu CEO na época, a empresa começou a utilizar o método balanced scorecard (BSC). Com o tempo, o sistema foi ampliado e, em 2005, teve início o programa de uso amplo do BSC. O objetivo era gerar alinhamento das metas individuais dos 22 mil funcionários brasileiros com a estratégia geral do banco.

Experiência tipo exportação
A efetiva execução da estratégia gerou resultados expressivos. No três primeiros anos da iniciativa, a receita da operação nacional da instituição cresceu 54%, enquanto o lucro bruto aumentou 83%. Já os ativos mais que dobraram. Os bons resultados fizeram com que o CEO do Grupo HSBC anunciasse, neste ano, a ampliação do BSC para todos os países nos quais a organização atua.

Segundo o gerente sênior de planejamento estratégico do HSBC Brasil, Álvaro Dal Bó, o BSC é uma ferramenta para auxiliar a gestão. "Ele permite ver com clareza o que está sendo ou não concretizado", comenta. Para manter o sistema em funcionamento e garantir a execução da estratégia por todos, os objetivos e metas da empresa são verificados mensalmente.

Um dos méritos do sistema implementado pelo HSBC é a transparência que ele gerou em relação à estratégia global da companhia. "Hoje em dia, as pessoas entendem qual é a estratégia do HSBC. Há dois anos, se perguntássemos qual era a estratégia, muitos não saberiam responder", revela Dal Bó.

Para conseguir a mobilização geral, a empresa apostou na educação e nos treinamentos, em um processo dividido em níveis hierárquicos. O trabalho incluiu um workshop com os 460 principais executivos do banco, que se tornaram os responsáveis para levar a estratégia geral às suas áreas. Outros 3 mil líderes receberam kits explicativos de como utilizar o BSC com os colaboradores. "A transmissão da estratégia depende do incentivo dos líderes. Sem isso, ela vira apenas mais uma nota no fundo da gaveta. O papel da liderança é fundamental no processo", diz Dal Bó.

Resumidamente, a empresa desenvolveu um BSC corporativo, com base na estratégia geral do banco, e outros BSCs para cada uma das suas 22 unidades de negócio. Na seqüência, cada área de negócio elaborou um painel de contribuição - uma versão simplificada de um BSC -, com iniciativas e metas que visavam contribuir com o nível superior.

A última etapa do desdobramento da estratégia é o estabelecimento de metas de desempenho individual, alinhadas com o painel de contribuição de cada área e, conseqüentemente, com o BSC corporativo. O sistema reserva ainda um espaço para objetivos de desenvolvimento pessoal: até 20% das metas individuais podem ser destinadas a essa finalidade.

Para conhecer a metodologia, os funcionários contam com um sistema de e-learning, que apresenta os conceitos básicos sobre a ferramenta, material informativo disponibilizado na intranet e programas de vídeo, transmitidos na televisão corporativa da empresa. O programa foi divulgado até mesmo no blog do CEO da HSBC Brasil.

Um prêmio à dedicação
Graças aos bons resultados obtidos na aplicação do BSC, o banco foi premiado, na noite da última quinta-feira, dia 11, com o Hall of Fame 2008, prêmio entregue anualmente às organizações que se destacam na execução na estratégia. Segundo o sócio-fundador da consultoria de gestão de estratégia Symnetics - empresa responsável pelo prêmio -, Mathias Mangels, o HSBC destacou-se entre as demais empresas inscritas por ser uma organização orientada à estratégia.

Na festa de premiação, o gerente sênior de planejamento estratégico do HSBC recebeu o prêmio das mãos de um dos criadores da metodologia do BSC, David Norton, que também é professor na Harvard Business School. Nos anos anteriores, as empresas laureadas com o Hall of Fame foram Unibanco, Gerdau Açominas, Nova Petroquímica, Unimed Vitória e Arcelor Mittal.

A premiação ocorreu durante o Strategy Execution Summit 2008, realizado no hotel Costa do Sauípe Conventions, a cerca de 70 quilômetro de Salvador. O evento contou com apresentações de diversas empresa e instituições públicas sobre seus sistema de estratégia. Estiveram representadas organizações como Votorantim, International Paper, Du Pont, Exército Brasileiro e Camiseteria, entre outras. Para a diretora geral da Symnetics no Brasil, Fanny Schwarz, as organizações têm investido fortemente em estratégia. "O que percebemos é que há um grande desafio na hora de transformá-la em realidade. Falta execução e também conexão entre gestão e estratégia", avalia.


Fonte: Por João Paulo Freitas, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 11
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …