Pular para o conteúdo principal

Sustentabilidade se põe à mesa

Muitos consumidores engajados nas causas sociais e ambientais já encontram alternativas para levar o consumo consciente também à mesa. Feiras dedicadas somente a produtos orgânicos e supermercados com seções inteiras de alimentos sustentáveis facilitam a vida dentro de casa. Mas como fica nas grandes cidades, onde boa parte da população faz as refeições fora do lar, em restaurantes, lanchonetes e bares? A resposta começou a ser dada por empreendedores de países da Europa, América do Norte e Oceania. Restaurantes sustentáveis viraram uma realidade e tendem a influenciar o mercado de food service em todo o mundo.

Esses empreendimentos verdes reciclam os resíduos, não geram lixo para os aterros sanitários, usam fontes de energia limpa, têm construções e mobiliários feitos com madeira certificada, oferecem água filtrada gratuitamente aos clientes (no lugar das minerais em garrafinhas plásticas ou de vidro) e até produzem parte ou todo o alimento utilizado em seus pratos.


Considerado um dos ícones do novo conceito, o londrino Acorn House foi o primeiro estabelecimento de alimentação sustentável da Inglaterra. 'A vida toda eu reciclei e reutilizei materiais, mas após 19 anos trabalhando como chef ainda não tinha conseguido levar essa mesma atitude para a cozinha. Eu estava ficando indignado com a quantidade de lixo que produzíamos', disse o proprietário Arthur Pott-Dawson ao jornal britânico The Observer.

No rol das iniciativas adotadas pelo Acorn House para garantir que o negócio gere o mínimo de impacto ambiental possível, a clientela encontra desde lâmpadas econômicas alimentadas por energia renovável até tinta atóxica nas paredes e alimentos cultivados localmente por fornecedores que também seguem parâmetros socioambientais - a escolha pela produção local é para diminuir a emissão de CO2 provocada pelo transporte.

Não satisfeitos, Pott-Dawson e seu sócio Jamie Grainger-Smith também foram além da reciclagem das embalagens que não conseguem evitar. Toda sobra de alimentos - reduzida pelo tamanho adequado das porções servidas - é levada a um telhado plano do prédio vizinho, onde passa pelo processo de compostagem para virar adubo orgânico.

As inovações da dupla não param por aí. O óleo usado para as frituras é encaminhado a uma empresa que o transforma em biodiesel, que depois abastece os veículos de entrega do restaurante. O salão e a cozinha dispensaram o ar-condicionado e são climatizados por um sistema que usa - sem poluir - a água fria de um canal atrás do prédio. Para o futuro, os chefs pretendem cultivar legumes e verduras no composto orgânico gerado pelo restaurante no telhado vizinho e trocar o papel higiênico por um sistema japonês similar aos bidês que lavam e secam as partes íntimas dos clientes. Isso tudo sem comprometer a qualidade da comida e do serviço. O Acorn House está listado no London Restaurant Guide, o guia de restaurantes da capital inglesa, e tem sido elogiado por renomadas publicações, como os jornais britânicos The Times e The Independent.

Com ambientalistas e apreciadores da boa comida satisfeitos, os sócios também dão uma boa notícia aos empreendedores: após dois anos em funcionamento, seu modelo de restaurante sustentável é viável financeiramente. 'Quero lançar 32 [unidades do Acorn House]. Uma em cada distrito de Londres', afirma Pott-Dawson. O diretor da organização sem fins lucrativos norte-americana Green Restaurant Association (GRA), Michael Oshman, acrescenta que as medidas sustentáveis não só são viáveis financeiramente, como reduzem gastos com matéria-prima, água e energia.

Apenas no ano passado, o número de estabelecimentos certificados como sustentáveis pela GRA triplicou, atingindo cerca de 270 restaurantes. Depois do sucesso do Acorn House em Londres, outros exemplos começaram a pipocar. O australiano Source Foods procura fornecedores que contribuam ambiental, social e economicamente para as comunidades, enquanto o americano Ecopolitan instalou purificadores para limpar o ar. O telhado do The Academy Café, na Califórnia (EUA), é totalmente coberto por vegetação para diminuir o uso do ar-condicionado e as geladeiras do londrino Water House poupam energia.

Como se vê, não é por falta de exemplos que o movimento ainda não chegou ao Brasil. Por enquanto, no país existem apenas iniciativas isoladas e muito tímidas. Mas provavelmente quem se dispuser a lançar a moda por aqui não deve demorar a conquistar seguidores.


Fonte: Por Fernanda Tambelini, in empresas.globo.com/empresasenegocios
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …