Pular para o conteúdo principal

Volvo é a melhor empresa para trabalhar

Não é difícil entender por que a Volvo é a melhor empresa para se trabalhar no Brasil. Instalada na capital paranaense, a grande campeã deste ano exibe uma gestão de fazer inveja a profissionais que estão do lado de fora. Não é à toa que chovem currículos e visitas de interessados em aprender um pouco do que já foi realizado na prática e que, sem dúvida, deu certo. "Até gente que não conheço me procura para deixar o currículo, quando descobre que eu trabalho aqui", diz um funcionário. Referência em tudo que envolve gestão de pessoas - do desenvolvimento à qualidade de vida -, é muito fácil entender por que a fabricante de chassis de ônibus, caminhões, motores e cabines saltou da quinta para a primeira posição no Guia em apenas um ano.

Com políticas globais, a forma de conduzir os negócios (e as pessoas) não depende da boa vontade de seus dirigentes. O presidente no Brasil, o sueco Tommy Svensson, é, sem dúvida, uma figura carismática e mantém com eficiência todas a práticas funcionando e o time alinhado. A gestão na multinacional sueca, no entanto, é maior do que seus líderes. As equipes são autogerenciáveis e a avaliação do clima é acompanhada anualmente pela matriz, em Gotemburgo, segunda maior cidade da Suécia. Assim como na pesquisa interna, a nota do Guia é alta. O índice que revela a identidade e o orgulho de trabalhar na empresa, por exemplo, ganhou nota 97. Boa parte desse elevado grau de satisfação se deve à ótima relação entre líderes e liderados. Um exemplo típico desse entrosamento acontece todas as sextas-feiras, sem exceção. No último dia da semana, no final da tarde, a produção pára e entra em cena uma rodada de pizza, repartida entre chefes e subordinados. "Aqui não existem feitores. Quem não sabe lidar com as pessoas não fica muito tempo", diz um funcionário. A política de relacionamento, chamada Volvo Way, é acompanhada de perto pelo RH. Conhecidos por todos, os conceitos estabelecem claramente os valores mais importantes preservados pela empresa, tendo a ética em primeiro lugar. É comum, por exemplo, encontrar a fábrica vazia simplesmente porque todos foram levados ao Teatro Positivo, o maior de Curitiba, para assistir a uma peça apresentada pelos próprios colaboradores, cujo tema é a ética. A Volvo também abusa das ferramentas de desenvolvimento para formar seus profissionais. Por meio do Plano de Desenvolvimento Pessoal (PDP), cada um pode dizer abertamente em que cargo e área pretende estar daqui a dez anos. Pelo Personal Business Plan (PBP) são definidas metas individuais para cada ano, tudo em consenso com o chefe, e os objetivos são alinhados às metas da empresa. Além do suporte aos funcionários, a Volvo oferece oportunidades. Em 2007, cerca de 27% dos profissionais tiveram promoção lateral - para outras áreas. As chances, porém, não vêm de mão beijada. Há desafios bastante agressivos para conquistar espaços na companhia. Para passar do nível operacional ao técnico, por exemplo, é preciso dominar dois idiomas (o inglês e o espanhol). E, ainda assim, a concorrência é alta - chegando a 20 candidatos para uma vaga. Quem está disposto a se dedicar, no entanto, não vai encontrar barreiras para subir. A Volvo possui programas definidos de aprimoramento, que contam com subsídios de 50% para educação, parcerias com instituições de ensino, como a Fundação Dom Cabral, de Minas Gerais, MBA de gestão de pessoas para líderes e potenciais talentos, e até coaching e mentoring para todos. Para garantir a boa saúde dos funcionários, a empresa oferece uma equipe médica com diferentes especialistas, em tempo integral, além de um excelente plano de saúde e odontológico, auxílio de 70% na compra de medicamentos, óculos de grau e lentes de contato, e programas de combate ao tabagismo e ao estresse. Viu como é fácil entender por que a Volvo está no topo do ranking?

Maior vantagem
Os programas de cidadania são elogiados e incluem uma fundação que mantém 40 crianças para adoção. A comunicação também é bastante eficiente.

Maior desvantagem
Alguns funcionários da empresa reclamam das exigências feitas para o crescimento na carreira e também da grande concorrência interna.

Frase do RH
Ser o guardião das condutas em geral, além de alinhar as políticas de RH às estratégias e objetivos da corporação. (Carlos Morassutti, diretor de RH e assuntos corporativos)


Fonte: portalexame.abril.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …