Pular para o conteúdo principal

Autógrafo que gera negócios

Atividade que se torna cada vez mais freqüente, as chamadas "noites de autógrafos" com atletas vêm aquecendo as vendas de lojas de artigos esportivos como Roxos & Doentes, Centauro e Bayard. O intuito destes estabelecimentos é aproximar os torcedores de seus ídolos, aumentando assim a comercialização de produtos em suas unidades. Parte da verba de marketing é utilizada na realização deste tipo de evento, que pode estar ancorado em lançamentos ou datas especiais.

A diretora de marketing da Centauro, Ana Grimaldi, explica que a loja realiza as noites de autógrafos há alguns anos e que desde 2005 este tipo de ação tem sido mais frequente. "Pretendemos intensificar estas atividades, pois o objetivo é promover a marca Centauro como uma experiência positiva fazendo com que os clientes tenham contato com seus ídolos e com as fornecedoras esportivas dos clubes", frisa.

Na Centauro, as noites de autógrafos podem nascer de um evento casado proveniente da sinergia que a loja possui com fornecedores de materiais esportivos - como Reebok, Nike, Adidas, Mizuno, Topper, Olympikus, Penalty e Kappa -, de lançamentos de produtos, de inaugurações de lojas ou de ações com os atletas que a varejista patrocina, como os tenistas Marcelo Melo, André Sá, Bruno Soares e o técnico Daniel Melo; o judoca João Derly; e os atletas paraolímpicos Odair Ferreira, Terezinha Guilhermina e o guia Jorge Luiz Silva de Souza.

A Bayard, que sempre realiza os encontros durante os dias da semana, procura diversificar a modalidade dos atletas que protagonizam estes eventos. "Convidamos tenistas, jogadores de vôlei, de futebol, nadadores, entre outros esportistas. É uma iniciativa válida, já que prestigia os atletas e aproxima o público da loja", diz o diretor de marketing Renato Zimmermann.

Rebeca Garcia, coordenadora de marketing da Roxos & Doentes (voltada a artigos relacionados ao futebol), revela que além de jogadores, a empresa também aposta suas fichas em tardes de autógrafos e fotos com personalidades ilustres e torcedores famosos. "Já realizamos eventos com os são-paulinos Karina Bacchi e Henri Castelli. Também levamos a auxiliar de arbitragem Ana Paula de Oliveira para uma ação em uma das unidades da Roxos", conta.

Futebol
No caso de jogadores de futebol, os contatos e os custos ficam a cargo das marcas esportivas. As lojas arcam apenas com a divulgação e estruturação do evento, como intensificação da segurança no local. "Torna-se uma mão dupla e ambas as partes saem satisfeitas", afirma Ana Grimaldi. Nas lojas oficiais do Atlético Mineiro, Cruzeiro, Figueirense, Sport Recife, Coritiba, Corinthians, São Paulo e Goiás - unidades que a Roxos & Doentes administra -, os próprios times se encarregam de "convocar" os atletas para os eventos, já que grande parte deles possui contratos de direito de imagem.

As lojas administradas pela Roxos chamam jogadores que tenham um perfil pertinente com o tema do evento como o Dia do Goleiro, por exemplo, que é uma oportunidade de vender artigos específicos como luvas e camisas oficiais de goleiros. "Posso dar como exemplo o Dia das Crianças, ocasião que privilegiamos jogadores que sejam pais e que queiram levar seus filhos ao evento", explica Felipe Soalheiro, coordenador de marketing dos clubes administrados pela Roxos & Doentes.

A Centauro já realizou ações com jogadores do Palmeiras, São Paulo, Corinthians e Portuguesa, em São Paulo; Flamengo e Botafogo, no Rio de Janeiro; Internacional e Grêmio, em Porto Alegre; além de noite de autógrafos com o ex-jogador Sócrates, com a Seleção Masculina de Vôlei e com atletas de outras modalidades esportivas.

"O futebol é o carro-chefe das ações, mas a intenção é mostrar a gama de artigos esportivos que a Centauro oferece em todas as modalidades", pontua Ana Grimaldi. A novidade da loja para o mês de outubro é o lançamento da revista bimestral Centauro Sports Magazine, que estará à disposição dos clientes nas 70 lojas físicas do grupo e na loja virtual de forma gratuita.

Vendas a todo vapor
O investimento neste tipo de ação não é alto e o retorno é fantástico, garante Ana Grimaldi, da Centauro. "Com times grandes podemos alcançar o número de 800 pessoas na loja durante as duas horas do evento. Neste período, conseguimos alavancar até 500% das vendas de produtos relacionados ao clube - camisas oficiais, squeezes, bonés, entre outros artigos", revela a executiva da Centauro. Renato Zimmermann, da Bayard, destaca que essas ações são imprescindíveis no retorno de imagem e mídia espontânea.

A satisfação da Roxos & Doentes com resultados neste eventos também é visível. "O retorno é ótimo e nossas lojas ficam lotadas, sendo que 70% dos clientes presentes no local são revertidos em vendas", conta Rebeca Garcia, da Roxos & Doentes.

É difícil mensurar o retorno em fidelização de clientes com estas ações, mas para Felipe Soalheiro, coordenador de marketing dos clubes administrados pela Roxos & Doentes, o incremento de vendas é visível. "Em situações como eventos de lançamentos de produtos ou venda direcionada de itens específicos é mais fácil avaliar a fidelização. Contudo, posso dizer que com as noites de autógrafos chegamos a resultados até cinco vezes maiores que a meta estipulada para o período", conclui.


Fonte: Por André Lucena, in www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …