Pular para o conteúdo principal

Cluster: o bom e velho relacionamento

Vamos começar esclarecendo que cluster é uma palavra de origem inglesa. Numa definição genérica, é um grupo de empresas que exerce atividades semelhantes e se desenvolve conjuntamente. Assim sendo, o conceito sugere a idéia de junção, união, agregação, integração.

Cluster se torna uma fonte contínua de conhecimento, pois há mais integração entre fornecedores, clientes e comunidade, pois incluem em uma região, indústrias e instituições com ligações estreitas ou forte complementaridade, pois clusters são formados apenas quando os aspectos setorial e geográfico estão presentes.

As fronteiras de um cluster devem refletir a realidade econômica e não necessariamente as fronteiras políticas e administrativas. A vantagem da aposta está na forma diferenciada de organizar a cadeia de valores que estimula o relacionamento e a comunicação entre empresas a atuarem sinergicamente sob um mesmo direcionamento estratégico. Tal competitividade manifesta-se a fim de aumentar a produtividade, potencializar a inovação, estimular a formação de novos negócios, criar postos de trabalho qualificados, gerar emprego e criar riquezas. Outra vantagem é que, independentemente das ações do governo, o desenvolvimento das empresas está nas mãos de quem produz e na força dos elos da cadeia produtiva.

Do ponto de vista operacional, o agrupamento de empresas é a forma que o esforço pelo desenvolvimento econômico e social vem assumindo no mundo inteiro, tanto nos países industrializados, como nos países em fase de industrialização. Muitos países e regiões ao redor do mundo estão promovendo o desenvolvimento de clusters em resposta à economia globalizada em mutação. Aqui em Curitiba temos como exemplo a Rua Tefé - calçados, Carlos de Carvalho - móveis de luxo e design, Getúlio Vargas – cozinhas, Mateus Leme – restaurantes de frutos do mar, e 24 de Maio – eletroeletrônicos. Abrangendo um pouco mais Curitiba concentra empresas de software, Loanda – materiais sanitários, Cianorte – confecção, Cascavel e Toledo - equipamentos e implementos agrícolas.

Um dos pontos importantes nos casos de clusters bem sucedidos é que estes funcionem como eixos de desenvolvimento em suas regiões, e isso diz respeito à sua composição em termos de empresas, assim como à forma que elas se relacionam. Embora envolvidas num mesmo negócio, as empresas sabem que não poderão sobreviver se ficarem sozinhas num negócio que depende de cooperação e de inovação para se desenvolver.
Com isso, abandona-se o conceito de macro região, para organizar o processo de desenvolvimento em bases locais, a partir de um conjunto de atividades a serem desenvolvidas em regime de parceria e cooperação entre a sociedade e o Estado.

A maioria dos benefícios de um cluster flui a partir das relações pessoais, que facilitam as ligações, promovem a comunicação aberta e facilitam confiança mútua. Informação é essencial à produtividade. Relacionamentos promovem o seu fluxo, ancoram, e fortalecem ainda a rede depois do projeto implantado. Estimular comunicações é a essência do sucesso da iniciativa de se implantar um cluster. Facilitadores neutros podem, muitas vezes, ajudar onde a confiança mútua ainda não se instalou e os relacionamentos são ainda incipientes. No início, maiores esforços são requeridos para assegurar comunicação regular, tanto interna quanto externamente. Os êxitos alcançados devem sem amplamente divulgados.

Diagnóstico e visão do futuro devem sem combinados com passos firmes e concretos. Condutores fortes e experientes são necessários, tanto por parte da iniciativa privada quanto da representação governamental. A liderança de empreendedores e o envolvimento de formadores de opinião caracterizam virtualmente o sucesso da iniciativa.

O desenvolvimento e a consolidação de um cluster são processos de longo prazo. Para o administrador de empresas é um grande desafio, pois as influências externas não apenas incidem no nível dos custos ou da produtividade, como também na velocidade das mudanças e no ritmo de incremento da produtividade. Na consolidação de um cluster, torna-se prioritária uma política de comunicação aberta, na qual prevaleça a confiança entre os participantes para a administração dos conflitos internos que possam surgir. Assim o administrador pode estar preparado para saber lidar com todos os problemas, principalmente o relacionamento e a comunicação que são os principais fatores de sucesso.


Fonte: Por Nelize Zymberg, in www.jornaldacomunicacao.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …