Pular para o conteúdo principal

Desenvolvimento de talentos ganha força nas organizações

A preparação profissional é uma preocupação relativamente recente nas empresas. Foi há aproximadamente 30 anos que as companhias se deram conta da necessidade de satisfazer os profissionais mais valiosos, dando-lhes a possibilidade de fazerem carreira nas organizações. Na atualidade, são poucas as empresas que não dedicam ao menos 2% da massa salarial (ou uma percentagem ainda mais alta, em setores como o farmacêutico) à formação do quadro de pessoal.

Seja por meio da formação dentro da empresa (cursos sob medida, em colaboração com escolas de negócios), a subcontratação de cursos junto a consultorias ou as universidades corporativas (criadas pelas organizações para formar seus profissionais), as organizações são conscientes de que a formação não tem preço, quando se trata de atrair e reter os melhores profissionais. Um reflexo desse interesse são os últimos dados do estudo desse setor, realizado pela consultoria de formação Élogos: em 2007, as grandes empresas, as administrações públicas e os agentes sociais aumentaram o investimento em formação de seus profissionais em 8%, alcançando um desembolso de € 2,05 bilhões (US$ 2,9 bilhões).

Para Antonio Peñalver, sócio-diretor da consultoria de recursos humanos Psicosoft, a consolidação da formação contínua nas empresas se deve à "importância de assegurar a qualidade das pessoas na organização, para contribuírem nos resultados. "Em todas as grandes empresas e na maioria das médias existe um departamento de formação profissional com orçamentos mais ou menos estáveis".

Na sua opinião, são os programas técnico-operacionais os que seguem sendo os mais relevantes. "Porque tratam de assegurar a qualificação dos trabalhadores no domínio de sistemas, processos e produtos, para poder desempenhar seu posto adequadamente". De forma paralela, ele ressalta a formação destinada a coletivos críticos - como os funcionários recém-incorporados, jovens com talento e os técnicos sênior especializados -, os comerciais e os diretores.

Peñalver identifica os comerciais e os diretores de nível intermediário como os mais favorecidos: "Os primeiros recebem formação contínua em produtos, ferramentas de suporte, motivação e desenvolvimento de habilidades para facilitar o trabalho", afirma. "E se considera óbvia a necessidade de potencializar o papel dos diretores do nível intermediário como os garantidores dos resultados por meio de seus colaboradores".

José Luis Catalina e Eduardo Belaústegui, sócios-diretores da BCL Desarrollo, também assinalam essa tendência quanto aos perfis mais cuidados. "Ganha terreno a formação em habilidades, em gerenciamento e em outros níveis da organização", diz Catalina. "Também cresce a demanda em habilidades comerciais, esperando os já tradicionais cursos de vendas, e em outras habilidades, como o serviço ao cliente, comunicação e formação de equipes".

O interesse por esses cursos de habilidades destinados a equipes de trabalho levou a consultoria Otto Walter a criar a divisão Equipos. A iniciativa pretende cobrir a formação em equipes de trabalho para ajudar a conseguir objetivos concretos. Os consultores da Equipos são os encarregados de desenhar dinâmicas exclusivas de trabalho e formação na medida das necessidades dos clientes.

No desenho desses cursos, capazes de despertar o interesse dos profissionais-alunos, Miguel Ángel Rodriguez, diretor-geral de formação corporativa da Élogos, afirma que existem duas ferramentas básicas para obter o êxito formativo: "A emoção e a personalização. Em todo o programa temos que ser capazes de transmitir o conteúdo em um contexto que permita conectar com o participante desde ‘o porquê’, ‘o para quê’ da matéria ou as habilidades que queremos ensinar".

Rodriguez diz que a personalização "permite identificar os diferentes públicos, tendo em conta sua posição na entidade e seu grau de experiência na matéria, adaptando a mensagem, os formatos e os canais de comunicação de cada coletivo". Em todo esse processo, a direção da empresa na qual será desenvolvido o programa "é responsável por alinhar o aprendizado com as necessidades de cada organização e por dirigir o processo de transferência, atuando como facilitador", acrescenta Rodríguez.


Fonte: Por Expansión, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 11
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …