Pular para o conteúdo principal

Fazemos bem aquilo que tem a ver conosco

Trabalhar em algo que tenha correlação com as características mais marcantes de cada um deveria ser a meta de todo empresário e executivo. Isto parece, ao mesmo tempo, óbvio e utópico. Óbvio porque somos mais felizes fazendo o que gostamos; e utópico porque ninguém consegue fazer apenas o que gosta. Mas deveria tentar!

Amigos me contaram que, em seus cursos de teatro, o ator e diretor Miguel Falabella comenta: "É muito difícil esconder a bola debaixo da água na piscina para sempre. Uma hora ela escapa e é aquele papelão". Não só concordo completamente com ele, como tento ajudar meus clientes e candidatos se entenderem melhor, para que possam, em primeiro lugar, criar metas pessoais e, depois, atingi-las.

Recentemente, recebi a visita de um famoso empresário da moda no País. Ele estava preocupado com o resultado das vendas e acreditava que, contratando um novo diretor comercial, poderia solucionar um período de receitas abaixo das auspiciosas expectativas do negócio.

Após dez dias de análise e de um trabalho profundo de inteligência de mercado, veio a conclusão: existia, sim, um problema na estrutura comercial da empresa, mas o cerne do não estava ali. No intuito de não perder a chance de crescer em um mercado fortemente aquecido nos últimos anos, nosso empreendedor abandonou aquilo que fazia melhor e mais feliz - montar prestigiadas coleções de roupas -, característica sua, inata, e já reconhecida pelo mercado, para se dedicar à gestão de processo internos operacionais e desgastantes. Como resultado, além dele não ser bem-sucedido na coordenação destes processos e de não dedicar seu tempo precioso no que realmente conhecia e gostava de fazer acabou frustrado, estressado e fisicamente cansado.

A solução para o problema foi simples. Reestruturamos a empresa, para que ele pudesse se dedicar à sua principal missão de vida, dando-lhe o conforto de saber que alguém qualificado estaria fazendo, feliz e tecnicamente bem, aquilo que ele não queria, não gostava e não sabia fazer. O resultado real apareceu rapidamente, antes mesmo da contratação do novo diretor comercial. Na coleção seguinte, a empresa teve um crescimento de 28% em suas receitas, comparando com a anterior.

Gostaria de propor um exercício relativamente simples e que poderia ajudar aos amigos leitores na busca deste caminho: em uma folha de papel, escreva do lado superior esquerdo os principais projetos que realizou nos últimos anos. Não se preocupe com o gostar, mas com o realizar. Terminada esta primeira fase, escreva no lado superior direito as características pessoais que considera mais marcantes - marcantes mesmo! Aquelas que o ajudaram a sobreviver a tantas barreiras e desafios desde a juventude. Volte para o lado esquerdo da página e eleja aqueles projetos que mais o realizaram. Garanto que eles estão intimamente relacionados com as características pessoais eleitas do outro lado! Acredito que este filtro deveria ser o seu caminho. O caminho que irá realizá-lo em termos de resultado, qualidade de vida e felicidade.
Tendo um objetivo, agora a missão é sua. De buscar o máximo possível de aderência entre as oportunidades e escolhas que surgem em sua vida e fazer "aquilo que você é".


Fonte: Por Luiz Wever, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 11
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …