Pular para o conteúdo principal

Gestão de mudança e a estratégia nas organizações

Nas simples e elaboradas empresas há uma soma de ferramentas utilizada para obter sucesso e crescimento, incluindo uma das mais difíceis de manipular: a gestão de mudança. Exigência de uma ordem maior na qual se inserem as empresas, a sua ausência pode sepultar uma organização, grande ou pequena. Como e por que implementá-la é a grande questão. Se empresas são complexas, dinâmicas e humanas, mesmo diante de computadores e relatórios, convictos da eficiência quase mecânica de processos e procedimentos, existe uma brecha distante dos olhares analíticos, os decifradores de números e balanços. Gestores tradicionais pouco percebem o imensurável estado dos mais dinâmicos agentes das empresas, o emaranhado de subjetividades infiltrados nos processos e na busca de resultados.

Defendo a gestão de mudança com foco nas pessoas. Se pautada nos recursos humanos, ela corresponde à transição e ao desenvolvimento, requer transformação e conhecimento do perfil de quem faz a empresa acontecer. Não é fácil, mas está claro que a personalidade singular de cada indivíduo "negociada" com o modo de atuação profissional que dele esperamos revela o item desprezado nos currículos: o comportamento. Muitas vezes, é ele quem nos aponta líderes, os agentes vitais para mudanças que saem do papel.

Foi o matemático norte-americano Edward Lorenz o primeiro a atentar para o chamado efeito borboleta, em 1963. "O bater de asas de uma simples borboleta pode influenciar o curso natural das coisas e, assim, talvez provocar um tufão do outro lado do mundo". O conceito, apesar de surgido do empenho da mente de um meteorologista, já está aplicado à cartilha das empresas bem-sucedidas. Também se aplica a inexistência de uma fórmula mágica de liderança padrão, da mesma forma que se reconhecem formatos múltiplos de organizações e estágios de desenvolvimento. Definitivamente, a física clássica foi abalada com o advento da física quântica. O questionamento se alastrou para outras áreas da experiência humana, inclusive a empresarial. Hoje, a gratuita descrença nas falhas de interpretações que só consideram causa e efeito em uma perspectiva linear, cartesiana, perdem espaço e a comprovação dos estágios intermediários das mudanças nos importa. Definitivamente compreendemos que os saltos (os saltos quânticos) não são subprodutos da ficção.

Ao mesmo tempo, é preciso identificar quem são, como são e o que querem ser as pessoas que erguem o cotidiano de uma empresa. Não se trata de hobby investigativo. É estratégia. Mesmo reduzido a um específico corte de todo o processo, a ação de um profissional afeta o todo. Por isso, vale reconhecer os líderes, sobretudo os informais, e estabelecer metodologia de comunicação, de consulta, mesmo que eles nos pareçam "invisíveis". É bater uma asa para gerar um tufão.

Não é só isso. Implementar mudança é promover transformação, mas para transformar é preciso transformar-se, estar bem para criar circunstâncias. Quem é incapaz de mudar-se, dificilmente modificará o serviço, a empresa ou o produto. Estar em mudança corresponde a um estado de trânsito, e sua verdadeira implementação requer etapas, com o exemplo do modelo Prosci. A primeira é a "conscientização", quando se deve responder à pergunta "por que preciso mudar?" e as razões da mudança precisam ser sentidas e experimentadas. A segunda corresponde ao "desejo" de mudança, que é resultado da conscientização. Chamo a terceira de "conhecimento", porque não há mudança possível sem o levantamento das estruturas, mentalidades e estratégias que funcionarão no processo de transformação. Há, ainda, a etapa "habilidade", que reúne exatamente as habilidades interpessoais, logísticas, emocionais e combinadas, ou seja, os profissionais específicos envolvidos e integrados ao processo. A última etapa é o "reforço", porque é preciso repetir e revitalizar, constantemente, a já conhecida e experimentada necessidade de mudar.

Não nego que pelo caminho mudanças esbarram em resistências da organização e das pessoas, afinal implicam transformações que não funcionam por decretos. Esse choque costuma nos presentear com crises. Mas elas são bem-vindas, geram possibilidades, ampliam a reinvenção de pessoas e empresas, que atingem lugares inimagináveis, em saltos quânticos.


Fonte: Por Claudia Riecken - Presidente da Quantum Assessment, in Gazeta Mercantil/Caderno A - Pág. 3
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …