Pular para o conteúdo principal

Inacreditável: estrelas foram ao chão

A partir dos meados dos anos 1980, as empresas criaram áreas para assumir projetos ligados à qualidade total, responsabilidade social - rebatizada de sustentabilidade -, relações com investidores etc. Muitas, por razões políticas e retóricas, encorparam, ganharam poder, arrogância e status de área organizacional.

Por exemplo, as de qualidade total, rebatizadas de áreas de excelência, promoveram nos anos 1990 as carnificinas da reengenharia, com o objetivo de reduzir custos, o que eliminou do mapa muita experiência e conhecimento, que foram embora junto com o pessoal demitido. Hoje, as áreas de responsabilidade social e de sustentabilidade estão sob a ameaça da homogeneização das palavras, das expressões e da banalização do tema.

Os chamados balanços sociais, por exemplo, tornaram-se peças insossas e repetitivas, relatórios cartesianos de prestação de contas. Entre jornalistas especializados em negócios e pessoas mais críticas são, cada vez mais, motivo de gozação. Os descritivos de governança corporativa e de relacionamento com os investidores estão embaixo de toneladas de desconfiança neste ambiente de crise financeira mundial. A sociedade passou a acreditar que os controladores precisam ser controlados.

Hoje os mercados internacionais de crédito estão em colapso. Alastrou-se um pavor nunca visto desde 1929. Os correntistas desconfiados da solidez dos bancos podem, a qualquer momento, sacar seus depósitos e provocar a quebra de empresas e a quebra de confiança na moeda. Em tempos de globalização, seria "a mãe de todas as corridas contra os bancos", segundo a descreveu o economista Nouriel Roubini.

Nos Estados Unidos da América o pacote de 700 bilhões de dólares parece ser ineficaz: o banco de investimentos Lehman Brothers quebrou. No mesmo dia, o Merrill Lynch foi vendido para o Bank of America. A maior seguradora do mundo, a AIG, declarou-se insolvente e foi nacionalizada.

Na Europa, o Fortis foi nacionalizado pelos governos da Holanda, Bélgica e Luxemburgo. O Dexia recebeu uma injeção de bilhões de euros, da França e Bélgica. O Reino Unido nacionalizou todos os seus bancos; o Bradford & Bingley, especialista em hipotecas, vendeu parte dos ativos para o Santander. O Hypo Real Estate, segundo maior banco hipotecário alemão, entrou numa operação de resgate. A Islândia nacionalizou o Glitnir, seu terceiro maior banco.

Os Bancos Centrais de todo o mundo, ao despejarem uma montanha de dinheiro no mercado, sepultaram, em pouco tempo, um dogma cultuado pelos teóricos neoliberais durante três décadas. Agora, como defender a capacidade de os mercados se auto-regularem e que qualquer intervenção estatal sobre eles é contraproducente?

A era neoliberal foi marcada pelo enorme aumento na acumulação capitalista e nas desigualdades internacionais. A automação, o deslocamento de empresas para países em que salários e direitos sociais são menores, o estágio da China e Índia como grandes centros produtivos rebaixaram o poder de compra dos salários.

Isto se aprofundou a partir da prevalência da chamada "ditadura dos acionistas", que coloca administradores a perseguir lucros cada vez mais altos. O resultado é um enorme abismo entre a capacidade de produção da economia e o poder de compra da sociedade, que gera, portanto, uma crise de superprodução.

Um dos aprendizados significativos desta mega-crise econômica, que tem colocado estrelas no chão, é a fragilidade das ações fragmentadas de comunicação versus a importância da comunicação empresarial, administrada de maneira integrada e a partir do topo da organização. Nas crises, a imagem e a reputação corporativa são percebidas como um todo. A sociedade, suas redes de públicos e o homem comum não isolam as fontes geradoras de problemas, especialmente no caso as áreas financeiras.

A empresa - sua imagem e reputação - precisa ser defendida em toda a sua abrangência. Função da área de comunicação, tarefa que uma área relacional, em particular, não consegue cumprir com a eficácia necessária, por não se comunicar e se relacionar com toda a sociedade. Afinal, só a partir de uma comunicação ampla, que mostre a totalidade e a complexidade da empresa, de seus representantes, de seus produtos - é que se legitima aquilo que discursos politicamente corretos não têm o interesse em trabalhar, especialmente em ambientes de desconfiança.

Isso porque a comunicação da excelência, do balanço social e da governança corporativa acostumou a mostrar só os aspectos bonitos, segmentados das empresas, sempre apresentada como impoluta, correta, desinteressada e muito eficaz. E seus gestores, figuras de heróis empreendedores, celebrados como modelos humanos a serem seguidos pelos desempregados, descapitalizados e tímidos.

A culpa por problemas dessa ordem sempre foi atribuída exclusivamente àqueles que estão fora das empresas e de pautas positivas na mídia política e econômica ou na literatura de auto-ajuda. A crise financeira internacional e o ambiente político carregado estão deixando nua a comunicação empresarial, baseada apenas na retórica cosmética "do ser, antes de fazer". E a lavagem de imagem passa a ser um crime tão grave como a lavagem de dinheiro.


Fonte: Por Paulo Nassar, in www.aberje.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …