Pular para o conteúdo principal

Jornalismo institucional. O que é isso?

Há um novo tema da comunicação - ou um tema antigo com nova roupagem? - que começa a entrar em pauta no cotidiano das empresas, setor público e cursos de comunicação: o jornalismo institucional. Afinal, o que isso significa? Um jornalismo que destaca o que existe de positivo nas organizações sem enfatizar as contradições dos fatos? Um jornalismo, também baseado em fatos como o jornalismo tradicional, mas sem o exercício da crítica? Um jornalismo que se confunde com o marketing editorial? Um jornalismo típico de corporações e governos comprometidos com a realidade, mas sempre orientado para o não conflito e a convergência.

Sim, jornalismo institucional é tudo isso. E mais alguma coisa. Por exemplo, quem trabalha com jornalismo institucional faz críticas sim, mas diretamente às lideranças das organizações, sem publicá-las. E quando as publica é dentro de uma estratégia determinada, com sinal verde daqueles que efetivamente decidem. No jornalismo institucional, há, claro, o compromisso com a sociedade. Mas, este compromisso não é direto como no jornalismo tradicional. É mediado, por força do sigilo, pela hierarquia organizacional.

Se no jornalismo tradicional, a publicação ou não de uma matéria depende do editor ou do diretor de redação, e mesmo do dono do jornal, na organização é a liderança, não o jornalista, quem decide. Como atividade técnica, o jornalismo institucional é muito amplo: envolve publicações de revistas, livros, sites, papers, programas corporativos na televisão ou na internet, position paper, toda a comunicação interna, releases, relatórios anuais, cartas, pautas, gestão e prevenção de crises. E envolve também a elaboração de estratégias, o aconselhamento das lideranças quanto ao relacionamento com a mídia. É um mundo que se amplia a cada dia, a exigir um esforço colossal para assimilar linguagens e produzir com qualidade elevada.

É um erro, e um erro tremendo, imaginar que se trata de um jornalismo fácil. O jornalismo institucional é como o entrelaçamento de muitos fios, que formam uma rede densa e vasta de responsabilidades, tanto técnicas como políticas, com uma fortalecendo a outra em permanente relação de vasos comunicantes. Se de um lado o profissional precisa dominar múltiplas linguagens, nem que seja para acompanhar e avaliar a qualidade dos trabalhos que coordena, de outro precisa entender da cultura organizacional, do contexto político e seus desdobramentos. É uma atividade tão ou mais laboriosa e dedicada do que o jornalismo tradicional. Não comporta erros, não comporta falhas, é sempre orientada pela justa medida, pelo equilíbrio, pela reta razão. No jornalismo institucional aquilo que os gregos chamavam de limite, mais do que uma responsabilidade é uma exigência inescapável.

A pergunta permanente é: como ousar e ser prudente a um só tempo? A ambigüidade é uma constante. O dilema da incerteza persegue o estrategista do jornalismo institucional como uma sombra. Resta ainda uma pergunta: Por que institucional? Porque está ligado a uma instituição, obviamente, e, portanto, é sinônimo de método, doutrina, sistema, conjunto de estruturas fundamentais para a organização da sociedade. Deriva do latim clássico institutio.

É uma palavra intimamente associada a legitimidade das organizações. Uma última questão: jornalismo institucional significa resistência a mudança, como é parte da rotina das instituições? Sim, e não. Sim, quando a organização é burocrática, mais voltada para seus interesses do que para os interesses da sociedade. Não, quando a organização é (ou ambiciona ser) republicana, voltada para os interesses da sociedade e não para interesses exclusivos dos seus integrantes. Jornalismo institucional, pela natureza e peculiaridades dos seus objetivos, não se confunde com o jornalismo tradicional, mas é parte indissociável da vida democrática e dos negócios. Se bem exercido, é um trunfo essencial das organizações no diálogo com o cidadão e a sociedade.


Fonte: Por Francisco Viana, in terramagazine.terra.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …