Pular para o conteúdo principal

Livro dita os mandamentos para o sucesso gerencial

Uma das figuras mais importantes para o desempenho administrativo e operacional de qualquer empresa é o gerente. Por isso, uma reflexão aprofundada sobre as competências fundamentais para o exercício da função é sempre oportuna. E é isso o que ocorre em "Gerência em Sete Passos", terceiro livro de Jan Wiegerinck, lançado esta semana.

Segundo Wiegerinck, o gestor competente precisa ter conhecimento e domínio das capacidades e ferramentas essenciais para a atividade. Tal afirmação tem como base uma experiência de mais de quatro décadas de dedicação à administração de talentos humanos. Mas mesmo com tanto conhecimento, Wiegerinck não tira o pés do chão. Para ele, gerenciar significa, acima de tudo, ser responsável pelo desempenho de outras pessoas, conhecê-las e saber se relacionar com elas.

Segundo ele, o gerente que desejar melhorar a eficácia do seu trabalho precisa seguir sete passos básicos, que formam uma espécie de sistema que conduz ao aumento da objetividade no trabalho. "Acho muito importante que o profissional trabalhe com metas. Ele tem que ser disciplinado. Isso é fundamental." adverte. "Os sete passos precisam ser seguidos em seqüência. Não adiante fazer o quinto passo antes do primeiro, pois não vai funcionar. E eles formam um círculo. Após o último, deve-se retornar ao primeiro. O processo nunca termina", explica.

Passo a passo para o sucesso
O primeiro dos mandamentos, de acordo com Wiegerinck, é determinar objetivos. "Primeiro, o gerente precisa saber o que quer", afirma. Na seqüência, vem o planejamento. Essas etapas iniciais dão suporte ao terceiro passo do processo, que é a organização.

De acordo com o autor, essa não é uma tarefa simples, mas a falta dela gera anarquia. Ao mesmo tempo, uma preocupação exagerada com a organização conduz à burocracia, ao desperdício e à ineficácia. Por isso, o gerente deve sempre estar atento à necessidade de simplificar, reduzir controles e ampliar a obrigação de prestar contas.

A etapa seguinte é a estruturação do próprio trabalho. Após os quatro passos iniciais, chega-se ao momento mais difícil do roteiro, na opinião de Wiegerinck, que é a transformação de pessoas em equipe. "Fazer com que todos se entendam, colaborem e tenham capacidades complementares: isso é um verdadeiro desafio", assinala o especialista.

Para Wiegerinck, o gestor que pretende ultrapassar essa barreira precisa, em primeiro lugar, manter a humildade. "Além disso, é necessário saber escutar, já que formar uma verdadeira equipe não tem nada a ver com distribuir ordens."

Segundo ele, ser competente também é fundamental para quem deseja se tornar um líder de equipe. Afinal, nenhum gerente que cometa erros excessivos é respeitado por seus subordinados.

O fato do quinto passo ser um desafio e tanto não o torna mais importante que os demais. "Todas as etapas são importantes. Sem uma delas, o gerente não será eficaz. É como um carro: o carburador é mais importante que o freio? Claro que não. O carro até anda sem freio, mas se torna perigoso", brinca.

O sexto mandamento para que o gestor se torne eficaz é a avaliação de desempenho (da empresa, de si mesmo, da equipe e de cada um dos colaboradores). Porém, muitas vezes, os profissionais se esquivam da tarefa. "Há um certa preguiça em mensurar. Os gerentes não são sistemáticos, não colocam o preto no branco. Mas mensurar é importantíssimo", afirma, lembrando que a finalidade dessa etapa é verificar se os objetivos inicialmente definidos foram concretizados e se o planejamento foi cumprido, o que permite compreender as causas dos êxitos e dos fracassos.

O último passo do círculo do processo gerencial elaborado por Wiegerinck é a mudança. Ela, por sua vez, reconduz o gerente ao início do sistema, pois produz a reformulação dos objetivos. "Mudar é importante porque tudo muda: a profissão, a tecnologia, as necessidades do clientes, o cenário econômico, etc", observa. "Na verdade, trata-se de uma adaptação a uma realidade diferente."

As qualidades do gerente
No seu novo livro, Wiegerinck também relaciona as qualidades que todo gerente deve ter. Elas incluem coragem, confiabilidade e credibilidade, diligência e dinamismo, entusiamo, franqueza, humildade, integridade, justiça e honestidade, parcimônia, perseverança, pontualidade e responsabilidade. Segundo o livro, tais qualidades estão presentes de maneira latente nas atitudes de todas as pessoas, mas podem ser alimentadas e desenvolvidas ou reduzidas e até eliminadas.

Wiegerinck é presidente da Gelre, uma das maiores empresa de relações humanas do País, com 102 escritórios nas capitais e principais cidades brasileiras. Desde sua fundação, em 1963, a empresa já empregou mais de 3,5 milhões de pessoas. Hoje, conta com 22 mil trabalhadores na folha de pagamento mensal.



Fonte: Por João Paulo Freitas, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 8
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …