Pular para o conteúdo principal

Mas, afinal, onde está o comandante?

Se Voltaire acertou ao dizer que o melhor governo é aquele em que há menos homens inúteis, com toda certeza a melhor equipe é aquela em que há mais membros úteis.

A elaboração de uma estratégia definida é vital para que a empresa continue a crescer. Sem ela, nem mesmo sua simples permanência no mundo dos negócios estará assegurada. Uma estratégia, seja do negócio como um todo ou de um departamento em particular, requer bom diagnóstico da situação da empresa e do mercado, visão de médio a longo prazos, muita disciplina e trabalho. E, acima de tudo, um impecável plano de metas que viabilize sua implantação. Ainda que o planejamento possa ou deva ser o mais participativo possível, é na implantação dos planos que a equipe joga um papel decisivo.

Sun Tzu, em "A Arte da Guerra", preconizava há 2.500 anos que se os regulamentos não estiverem claros o suficiente e as ordens não forem plenamente compreendidas, o erro é do comandante. Se as regras estão claramente definidas e esclarecidas, mas ninguém as segue, a falha é do líder. E mais: se você aprecia as palavras, mas não tem coragem suficiente para colocá-las em prática, algo dará errado.

Mas o que é exercer a liderança? É ser capaz de unificar a empresa em torno de um objetivo comum, tendo à frente uma pessoa dotada de uma conduta exemplar que deriva do caráter nobre e de um comportamento condizente. Líderes devem ser capazes de criar e manter a harmonia entre a equipe e na empresa, em geral. Por isso, talvez seja tão desafiador tornar-se um líder de fato e com sucesso.

Antes de qualquer coisa, é preciso desenvolver o chamado grau de resiliência, ou seja, a capacidade de se adaptar ao ambiente sem mudar sua essência. Um exemplo é quando entramos num cinema quando o filme já iniciou e o ambiente está na penumbra e, então, não enxergamos nada, em princípio. Daí alguns segundos, nossas pupilas se dilatam e conseguimos visualizar o ambiente, apesar da escuridão. Todavia, ao sairmos novamente para um local iluminado, nossas pupilas retornam ao estado habitual. Em suma, é preciso aprender a mudar a forma como se lida com uma situação ao invés de tentar mudá-la, pois muitas vezes forçar a mudança pode ser uma luta inglória.

Já o "ingrediente fundamental" chama-se liderança capaz e talvez aí resida o maior desafio, pois requer superar as fraquezas e desenvolver as virtudes. Por fraquezas, entenda-se imprudência, insegurança, volatilidade, sensibilidade excessiva a críticas. Entre as virtudes temos a integridade, coragem, gentileza, disciplina e sabedoria. Elogios também precisam fazer parte das palavras que um bom líder expressa aos membros da equipe.

E, por fim, tornar-se um canal de informação clara e precisa. Gaudêncio Torquato, especialista em comunicação política e empresarial, no livro "Tratado de Comunicação Organizacional e Política" fala sobre os quatro poderes na comunicação: remunerativo, normativo, coercitivo e expressivo. O autor apóia-se na teoria de que no poder expressivo reside o poder da comunicação, da argumentação, do carisma.

A partir do carisma, constrói-se a eficiência do enunciado, capaz de unificar, integrar e harmonizar os discursos (semântico e estético). Por meio do poder expressivo, o líder tem a habilidade de "energizar" ambientes, atrair simpatia e atenção dos interlocutores. Mas é preciso dosar os quatro tipos de comunicação, pois sem os discursos normativo, coercitivo e remunerativo (de Sun Tzu) corre-se o risco de perder o controle sobre o objetivo comum.

Se não houver entendimento, sinergia, comprometimento e liderança, a equipe não funciona. Colocar todos no mesmo barco (remando para a mesma direção) é básico. Qualquer gerente sabe disso. Mais importante, porém, é fazer com que remem na direção certa. As relações interpessoais, a administração dos egos e todos os problemas que impedem uma equipe de obter a sinergia que só uma equipe pode gerar são também passados a limpo.

São necessários um ambiente favorável, lideranças preparadas e um sistema de recompensas, além de habilidade, pesquisa e paciência para chegar ao dream team. Por onde começar?


Fonte: Por Carlos Alberto Júlio - Presidente da Tecnisa e membro do Conselho de Administração da HSM do Brasil e da Camil Alimentos, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 9
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …