Pular para o conteúdo principal

Não há cliente avesso ao marketing

Os especialistas em marketing muito têm falado sobre o surgimento de um consumidor pouco suscetível aos apelos da pro-paganda e imune à influência das marcas – jovens que cresceram sob a influência da internet. No recém-lançado Buying in: The Secret Dialogue Between What We Buy and Who We Are (“Compra: o diálogo secreto entre o que nós compramos e quem nós somos”), o jornalista americano Rob Walker contesta essa avaliação. Para o colunista do The New York Times, as empresas conseguirão conquistar corações e mentes desse novo mercado quando entenderem que o “significado” de uma marca é mais importante para os jovens consumidores do que propriamente as características de seus produtos.

A Toyota é um exemplo de empresa que descobriu o caminho até esse público. A montadora decidiu, em 2002, bancar festas de revistas alternativas para propagandear um novo modelo, o Scion, voltado aos integrantes da geração Y – como são chama-dos os nascidos depois de 1982. Os editores dessas pequenas publicações – com nomes extravagantes como Art Prostitute – puderam usar o carro por alguns dias. A estratégia da montadora exigia que o carro sumisse das vistas do grande público.

por ver danos à sua identidade A mesma percepção tiveram os fabricantes da Pabst Blue Ribbon, uma cerveja criada nos anos 70 que inicialmente era con-sumida por trabalhadores americanos de baixa renda. Logo depois de atingir o seu pior desempenho de vendas, a bebida foi redescoberta em 2002 por skatistas, grafiteiros, tatuadores e outras tribos, que admiravam o aparente desprezo da empresa pelo marketing. Em vez de investir em propaganda para o seu novo público, um comportamento normal nessas situações, a compa-nhia preferiu patrocinar uma série de eventos da chamada contracultura, que a ajudaram a ser vista como a cerveja dos insatis-feitos.

A conclusão de Walker é inevitável: mesmo as pessoas aparentemente avessas à propaganda são suscetíveis a ela. Esses exemplos mostram também que é possível atingir um público amplo por meio da cooptação de pequenos grupos. Isso pode ser feito também por meio da propaganda boca a boca, na qual as empresas contratam e treinam pessoas para falar bem de um produto a seu grupo de amigos. Um instrumento de marketing já usado por companhias como a Nestlé, a Nintendo e a Sony.

Os produtos ajudam as pessoas a criar uma identidade social. Um estudo recente revela que muitos consumidores tendem a abandonar uma marca quando ela passa a ser usada pelo grande público ou por grupos que eles vêem com preconceito. “Os produtos dão informações sobre os seus proprietários, o que inclui o grupo social a que pertencem e outras preferências”, afirma Jonah Berger, professor da Wharton School of Business e um dos autores do estudo. “Quando muita gente passa a comprar a mesma coisa, ela perde seu significado”, diz. Alguns produtos – carros, roupas e CDs de música – são transmissores de identi-dade mais intensos do que outros, como produtos de limpeza ou equipamentos de som.

Uma companhia precisa aprender a administrar o significado de suas marcas, afirma Berger. De acordo com o pesquisador, ela tem de saber a todo momento quem realmente compra seus produtos e de que forma interfere nos seus “significados”. O uso de edições limitadas de um carro, por exemplo, pode ajudar a manter um público desejoso de sinais claros de diferenciação social.


Fonte: epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …