Pular para o conteúdo principal

A nova face do voluntariado corporativo

Há alguns anos, estratégias de voluntariado eram pensadas apenas para prestar assistência às comunidades e melhorar a imagem das empresas. Mas essa concepção já faz parte do passado. Atualmente, corporações pioneiras buscam desenvolver programas com o intuito de gerar um público consumidor em potencial e capacitar lideranças hábeis para a tomada de decisões em um mundo globalizado.

A grande oportunidade que se apresenta na área de voluntariado está em uma gestão integrada que desenvolva os negócios e as comunidades paralelamente, prezando pelo bem-estar geral e pela eficiência de recursos. Uma estratégia bem elaborada pode fazer a diferença para pessoas e gerar retorno às empresas. De acordo com Bob Corcoran, vice-presidente de Responsabilidade Social Corporativa e Chief Learning Officer da General Eletric, a idéia restrita do voluntariado apenas como medida paliativa não se sustenta mais.

“Nós nos sentimos bem ajudando a pintar escolas, por exemplo, mas na realidade somos contadores, engenheiros, e poderíamos fazer muito mais pela comunidade. Então pensamos, vamos ajudá-los em consultoria de gestão, a pensar sobre organização, sobre estruturas, sobre como eles podem gerir suas finanças. Isso é uma forma de voluntariado mais inteligente, aquele que ajuda a construir capacidade”, avalia Corcoran.

Para Moysés Symantob, pesquisador e co-fundador do Fórum de Inovação da Fundação Getúlio Vargas — São Paulo, é fundamental dissociar o assistencialismo do voluntariado que, praticado de forma estratégica, pode ser muito eficiente. “A questão toda é conseguirmos distinguir uma iniciativa, de fato, estratégica do assistencialismo puro e essa fronteira é muito tênue. Acho que a palavra-chave é mútua-colaboração. É evidente que muitas organizações têm uma relação de fato genuína e estão dispostas a incluir socialmente as pessoas, e essa forma de voluntariado faz todo o sentido”, afirma.

O fato de entender mais profundamente a realidade e as necessidades de cada local pode resultar em ações focadas e eficientes, poupando gastos das empresas e estimulando o desenvolvimento de novas soluções em parceria com governo e comunidades.

Os problemas estruturais que as mudanças climáticas trazem para as cidades podem gerar desafios, mas também boas oportunidades. Meio ambiente, saúde e segurança representam grandes áreas de negócios, por meio das quais as companhias podem atender a uma demanda por inovação cada vez mais necessária nos centros urbanos.

Para Marcelo Musci, presidente da General Eletric para a América Latina, ainda existe a percepção de que apenas o governo deve prezar pela estrutura de cada local, idéia que se mostra pouco eficiente na atualidade. “Acredito que realmente algumas competências são do estado, mas outras também são da comunidade. À medida que o voluntariado cresce no Brasil e se torna mais difícil para o estado fazer tudo, a sociedade deve complementar suas ações. Voluntariado e solidariedade não representam um vínculo afetivo, e sim prático”, ressalta.

O fato de entender mais profundamente a realidade e as necessidades de cada local pode resultar em ações focadas e eficientes, poupando gastos das empresas e estimulando o desenvolvimento de novas soluções em parceria com governo e comunidades.

Formando profissionais globais
Nos próximos anos, a capacidade de trabalhar em um contexto global e desenvolver soluções criativas e adaptáveis a diferentes regiões será indispensável aos profissionais de todas as áreas. E a troca de experiências com as comunidades pode
se mostrar muito eficiente para esse aprendizado.

Para capacitar seus executivos a partir dessa perspectiva, a IBM envia profissionais para ações de voluntariado fora de seus países de origem. O programa denominado Corporate Service Corps, que teve início em 2008, visa promover o crescimento socioeconômico em seis países emergentes — Romênia, Turquia, Vietnã, Filipinas, Gana e Tanzânia — e integra o Global Citizen´ s Portfolio, projeto mundial que reúne uma série de investimentos com o intuito de aperfeiçoar a capacitação de profissionais.

Em uma próxima etapa do Corporate Service Corps, a empresa pretende expandi-lo às comunidades do Brasil, China e Índia. “A questão da globalização exige não só desenvolver os negócios, mas também as pessoas. Para a empresa esse tipo de trabalho colaborativo, essa soma, vale muito. É algo que parece fácil, mas na prática, no dia-a-dia, não é tão simples assim”, avalia Ruth Harada, executiva de cidadania corporativa da IBM Brasil.

Rafael Cunha, estrategista de web da IBM, foi um dos três brasileiros selecionados para o programa e viajou para as Filipinas no último mês de junho com o intuito de buscar soluções conjuntas para realidades locais. “O mais interessante desse processo é compartilhar experiências, trabalhar com a comunidade de acordo com suas necessidades.

O profissional age como um consultor, entende o local e avalia como pode dar suporte às comunidades com algumas iniciativas”, ressalta Cunha. Seguindo essa tendência de capacitação profissional globalizada, o GE Volunteers, por meio do programa GE Foundation Developing Futures in Education, envolve profissionais voluntários que levam noções de negócios para as populações de diversas comunidades em crescimento.

Além de garantir mão-de-obra eficiente para empresas em todo o mundo, as ações ajudam a elevar o padrão de vida local por meio da educação, gerando novos consumidores em potencial. Visando esses benefícios à empresa e às comunidades, a companhia realizou no início de outubro, em São Paulo, uma semana de voluntariado para agregar mais adeptos à prática que envolve a cada ano mais funcionários.

De acordo com Ruth, da IBM, a perspectiva de desenvolvimento integrado com a comunidade é uma tendência a ser seguida por várias empresas nos próximos anos. Isso fará — segundo Ruth — com que as grandes corporações busquem a expansão de um modelo multinacional para outro global. A transição de um para outro requer a superação de diferenças regionais e estímulo a um ambiente de cooperação, em que as fronteiras geográficas sejam cada vez menos perceptíveis, com maior possibilidade de troca de informações e desenvolvimento em conjunto.

“Nós deixamos de ser uma empresa multinacional para sermos uma empresa global, estamos começando a lançar diversos programas para estimular isso de uma forma estruturada. Nós estamos falando desse olhar para fora da caixa, é isso que desejamos estimular”, afirma Ruth.

Espaço de oportunidade
Nos próximos anos, a previsão de crescimento para os países emergentes resultará na necessidade de grandes investimentos em infra-estrutura, saúde, saneamento básico, entre outras áreas.

Nesse contexto, o voluntariado realizado de maneira estratégica é uma grande oportunidade para os negócios e pode trazer grandes benefícios às comunidades. “Os problemas do mundo não serão resolvidos sem o apoio de grandes empresas. No Brasil, percebo que as companhias estão se envolvendo cada vez mais, no entanto ainda estamos progredindo de maneira fragmentada. Acredito que o futuro do país está na união da empresas e no tratamento desses temas de forma integrada para não haver sobreposição
de recursos e esforços em certas áreas e carência em outras”, avalia Musci, da GE.

Buscando trabalhar com a comunidade e com organizações sem fins lucrativos, a GE desenvolve um projeto de consultoria às ONGs para ajudá-las a se tornarem sustentáveis no longo prazo.

Para Reinaldo Pereira da Silva, gerente de qualidade da América Latina da GE Health Care e presidente do Conselho da GE Volunteers em São Paulo, o voluntariado não só estimula a questão da liderança, como transcende os princípios de empreendedorismo.
“Buscamos dar subsídio a essas instituições para que elas desenvolvam projetos que se tornem de alguma maneira auto-sustentáveis”, avalia Pereira.

Atualmente, não é possível mais para uma empresa escolher ficar a parte da sociedade, não se envolver com o ambiente ao seu redor. Aquelas que o fizerem, certamente serão punidas pelos consumidores, ressalta Corcoran. “Essas empresas perdem a confiança das comunidades a sua volta, e se algo sai errado em qualquer âmbito, a comunidade organizada estará toda contra a companhia porque não há confiança.

Ainda que, com o voluntariado, seja possível fazer a diferença para apenas uma pessoa, ao menos duas entendem e respeitam sua atitude”, ressalta. Aquelas empresas que souberem visualizar e trabalhar dentro desse novo espaço de oportunidade poderão obter resultados favoráveis.

De acordo com Ruth Harada, o faturamento da IBM fora dos Estados Unidos é crescente, resultado que se deve a esse olhar mais amplo e diferenciado para cada comunidade que a companhia integra. “Devemos começar a olhar o mundo de uma forma diferente e as empresas devem olhar não só a sua maneira de operar, mas um modo de desenvolver pessoas de outra forma”, afirma.

Liderança corporativa
A capacitação de profissionais com pontos de vista diferentes para a resolução de desafios corporativos é um aspecto fundamental para o sucesso na economia global de hoje. A habilidade de compreender e colaborar com diversas culturas será um fator determinante para o sucesso dos negócios.

Para trabalhar a competência de seus profissionais a partir da percepção dos desafios das comunidades, a GE iniciou, há cerca de dez anos, um modelo de treinamento para desenvolver lideranças em ONGs mundo afora. De acordo com Corcoran, a capacidade de obter os melhores resultados dentro de diferentes culturas é uma meta que todo o líder corporativo deve buscar.

“Algumas pessoas pensam que liderança é dizer aos outros o que fazer, mas não é. Liderança é ajudar outras pessoas a fazer o melhor que podem“, destaca o vicepresidente de responsabilidade corporativa da GE.

Os desafios enfrentados na busca de soluções para as comunidades estimula a atuação de profissionais dentro de diferentes contextos e, por meio do trabalho com padrões sociais e econômicos diversos, forma lideres mais sensíveis às diferenças e aos desafios globais.

Para Ruth, da IBM, as práticas de voluntariado podem representar um bom estímulo aos profissionais e às empresas que desejam integrar esse modelo global de atuação. “É necessário aliar a questão do voluntariado com desenvolvimento de pessoas e lideranças, sob várias óticas, do conhecimento de outras culturas e necessidades até o conhecimento sobre os problemas do mundo, muito além do país em que se vive”, avalia a executiva.


Fonte: Por Cristina Tavelin, in Gazeta Mercantil - Terça-feira, 21 de outubro de 2008, p. A16
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …