Pular para o conteúdo principal

O lado sombrio da elitista Harvard

O jornalista inglês Philip Delves Broughton decidiu, em 2004, abandonar a profissão. Chefe do escritório em Paris do The Daily Telegraph, estava cansado da rotina estressante do jornal e disposto a virar um homem de negócios. Resolveu se inscrever na Harvard Business School e, para sua surpresa, foi aprovado. Ele conta o que aconteceu, durante os dois anos de MBA, no recém-lançado Ahead of the Curve (“Na dianteira”). É um retrato um tanto sombrio da escola, que completa 100 anos neste mês.

A instituição orgulha-se de formar líderes globais e, como é sabido, cumpre a tarefa com louvor, como bem lembrou o reitor Kim Clark ao se apresentar à turma de Broughton. “A primeira vez que entrei nesta sala para dar aula, havia um rapaz sentado naquela cadeira chamado Jack. Agora ele é Jack Brennan, líder do grupo Vanguard. Logo ali ficava Jeff, um ex-jogador de futebol americano. Jeff Immelt é agora CEO da GE...”, e continuou a listar as celebridades para quem havia dado aula. Mas, afirma Brou-ghton, a escola não é apenas uma fábrica de líderes. É principalmente uma “fábrica de gente triste”. Na sua opinião, a Harvard Business School ajuda a difundir a crença de que a dedicação absoluta ao trabalho é a única alternativa para os profissionais mais talentosos. Lembra de um diretor do Goldman Sachs que deu uma palestra sobre liderança: “Sua expressão de derrota era evi-dente quando contou que havia se casado quatro vezes”.

Para Broughton, a escola precisa repensar o seu lema: “nós instruímos líderes que fazem a diferença no mundo”. Seria me-lhor, na sua opinião, que prometesse somente educar profissionais para a administração de um negócio, o que ajudaria a reduzir a megalomania de alunos e professores. Broughton é bastante crítico em relação aos colegas que ingressaram em 2004. Uma tur-ma formada em boa parte por “três Ms” – mórmons, militares e profissionais da McKinsey – e por representantes de países asiáti-cos e sul-americanos, muitos dos quais prepotentes e ambiciosos.

Broughton abandona o tom crítico quando fala do rigor técnico da escola. Tece elogios ao seu método de ensino, baseado principalmente na análise de “casos” – situações reais do mundo dos negócios. Em dois anos de MBA estudou mais de 500 casos, alguns dos quais comenta no livro. Também discorre com entusiasmo sobre como superou sua ignorância em negócios. Ao entrar na escola não sabia sequer mexer num Excel, o que é compreensível dado seus interesses anteriores – é formado em filosofia, latim e grego. Apesar das novas habilidades, Broughton não conseguiu arranjar um emprego que preservasse sua rela-ção com a mulher e os dois filhos. Desistiu de uma vaga no Google por esse motivo. Decidiu então voltar à escrita e lançar Ahe-ad of the Curve.

MBA – Sigla da expressão em inglês Master of Business Administration (mestrado em administração de empresas).Apesar do nome, não é reconhecido no Brasil como um curso de mestrado, mas como uma especialização.


Fonte: epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …