Pular para o conteúdo principal

Presidente do Bradesco: “O banco valoriza a prata da casa”

Em janeiro de 2009, o advogado Márcio Laurelli Cypriano completará dez anos à frente do Bradesco. Nesta década, o valor de mercado do banco saltou de R$ 6,5 bilhões para R$ 87,5 bilhões. Paulistano, 64 anos, Cypriano é o terceiro presidente do Bradesco em 65 anos. “É uma questão de valorização da prata da casa”, diz, sobre a cultura do Bradesco. Um dos mais experientes executivos do mercado financeiro, trabalhou no Banco da Bahia e, com a aquisição deste pelo Bradesco, em 1973, galgou posto atrás de posto até chegar à presidência, em 1999. Começou a trabalhar aos 12 anos e considera Amador Aguiar, o fundador do Bradesco, sua maior inspiração. “Ele dizia que nada deve ser mais importante do que o trabalho. Sigo isso até hoje”, afirma Cypriano.


1>>>Deixar a presidência do banco será mais difícil do que foi assumi-la? Marcelo de Carli | Porto Alegre, RS
Ainda não pensei nisso. Mas, de qualquer forma, comecei a trabalhar muito cedo, com 12 anos de idade. O banco não foi meu primeiro emprego. Fui vendedor e divulgador de discos, trabalhei com transporte pesado, vendia carretas e caminhões, tive uma lanchonete e outras atividades. Sempre procurei me empenhar muito em cada uma delas. Vai ser uma guinada na hora em que vencer o meu prazo, mas isso é coisa da vida: todos nós vamos ter o nosso dia.

2>>>Como se manter durante dez anos no principal cargo de uma corporação, sendo que, hoje, a média de permanência do CEO em sua função é de aproximadamente quatro anos? Marco Lopes | Miraí , MG
Você precisa considerar a cultura do banco. O Bradesco tem 65 anos e até hoje só teve três presidentes. É uma questão de valorização da prata da casa. Para mim, é surpresa que o CEO de uma empresa fique só quatro anos no cargo. Acho que é muito pouco tempo, porque normalmente você traz seus planos de desenvolvimento, investimento e depois tem de colher os frutos.

3>>>Quais foram os principais obstáculos que o sr. superou? Algum dia pensou em desistir de tudo? Gustavo Vilani | Goiânia, GO
Isso [desistir de tudo] não. Não diria nem que são obstáculos. O que a gente tem são desafios. E os principais desafios que colocamos foram metas arrojadas para o quadro de funcionários. Quando assumi a presidência, em 1999, nosso primeiro objetivo foi que o banco atingisse 10 milhões de contas correntes em dois anos, saindo de 6 milhões. Era uma meta bastante arrojada, mas isso deu uma sinalização para o nosso quadro do que queríamos, qual seria o principal fundamento da gestão: expansão e desenvolvimento. Acho que esse foi o maior desafio.

4>>>Corremos o risco de ver ocorrer aqui algo similar à crise hipotecária dos EUA, devido ao alongamento dos prazos para financiamentos de bens duráveis? Laércio Oliveira da Silva | Diadema, SP
Não, de jeito nenhum. Essa pergunta é extremamente importante, porque o mercado começou a partir para um prazo que assustava um pouco. Financiamento de veículos em 98 meses era um absurdo. Tivemos no início de acompanhar a concorrência, mas ao perceber que poderia haver uma fragilidade em relação ao tempo, reduzimos automaticamente o prazo. O Bradesco liderou esse movimento.

5>>>Como o sr. vê o Bradesco daqui a dez anos? Robson Zumkeller | São Paulo, SP
Vejo o Bradesco na liderança. O banco é líder de mercado desde a década de 50. Se você me fizesse essa pergunta dez anos atrás, eu jamais poderia imaginar que o Bradesco hoje seria o 19º banco do mundo em valor de mercado.

6>>>Como o Bradesco busca talentos novos? Quais características são valorizadas em um funcionário dentro do banco? Thiago Oliveira Lemos da Silva | Rio de Janeiro, RJ
Quando o funcionário é admitido como escriturário e depois vai crescer dentro da organização, é muito importante o treinamento. O banco investe aproximadamente R$ 60 milhões por ano em treinamento para o quadro de funcionários. É importante a determinação, a garra, a vontade de cada um de vencer. O funcionário que começa sua carreira aqui é observado durante todo o tempo.

7>>>O que uma empresa precisa para se tornar uma criadora de talentos, além de uma liderança que saiba identificá-los? Leopoldo Nunes | Fortaleza,CE
O acompanhamento próximo do funcionário. Os talentos despontam na medida em que têm oportunidades. Às vezes, um funcionário é mal aproveitado porque está numa área que não é o forte dele.

8>>>Quais decisões estratégicas se mostraram mais acertadas ao longo da trajetória do Bradesco? Delano de Vasconcellos | Fortaleza,CE
Várias, mas as 46 aquisições feitas ao longo da história do banco foram extremamente importantes.

9>>>Por que os bancos brasileiros não aproveitam a quebradeira dos americanos para fazer aquisições? Jairo Barreto | Murray, Utah (EUA)
No setor financeiro, você não pode pensar com oportunismo. Não é porque o sistema está ruim e você tem bancos em dificuldades lá que a gente vai aproveitar essa oportunidade.

10>>>O sr. não acha que o processo de internacionalização dos bancos brasileiros está muito lento? Quais os planos do Bradesco? Nelson Melo | Santos, SP
Não, acho que o Brasil tem muitas oportunidades ainda. Apenas 60% da população economicamente ativa é bancarizada. Fora do Brasil, o banco está onde sente necessidade de estar para atender seus clientes.


Fonte: Por Alexandre Teixeira, in epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …