Pular para o conteúdo principal

Você se comunica bem com sua equipe?

Não é difícil entender por que a comunicação é uma das principais habilidades dos líderes. Afinal, muito mais que o simples ato de falar, é um universo de ferramentas, processos e técnicas que ele pode usar no dia-a-dia para melhorar o relacionamento e resultados de sua equipe. Pensando nisso, fiz uma entrevista exclusiva com Reinaldo Passadori, um dos maiores especialistas em Comunicação do Brasil. Acompanhe!

Um líder que não se comunica bem está fadado ao fracasso?
Sim. Sem dúvidas! Um líder, além de se comunicar, deve se relacionar bem com as pessoas, vendendo idéias, influenciando, motivando, conduzindo, incentivando, representando o grupo, compartilhando, ouvindo o outro e, acima de tudo, mantendo a sensibilidade para perceber as diferenças individuais, adequando-se ao contexto. A habilidade de comunicação de um líder é o reflexo do poder pessoal de influenciar os liderados.

A clareza e a forma com que o líder transmite a mensagem são importantes, mas a maneira de ele se comportar ao se comunicar pode fazer toda a diferença. Como a voz, gestos, aparência e postura podem ajudar e atrapalhar um líder?
Há dois elementos de comunicação que favorecem a assertividade: forma e conteúdo. A congruência entre essas partes ajuda o líder, enquanto o contrário interrompe todo o processo de interação com os liderados. Observe a incongruência de uma pessoa ao falar sobre calma, paz e serenidade, mas de uma forma agressiva e irritada ou, ainda, quando falar sobre entusiasmo, vitalidade e alegria, porém de maneira triste, sem vida e melancólica.

Ser congruente é explicitar, simultaneamente, as idéias, pensamentos e emoções. É exteriorizar o caráter, essência, crenças e como se deve comunicar consigo mesmo. A clareza do conteúdo diz respeito a falar o que precisa ser dito de forma simples, objetiva e ilustrada, com a seqüência coerente dos assuntos de maneira estruturada em começo, meio e fim, respeitando ainda o vocabulário e nível cultural dos liderados.

A clareza da forma se traduz em beleza ao falar, uso preciso da voz, elegância e congruência dos gestos, cumplicidade do olhar, aparência bem cuidada e zelo para causar boa impressão.

Qual a importância para o líder e como ser persuasivo ao falar?
Levando em consideração que persuadir é conseguir que as pessoas façam alguma coisa que se quer, é essencial que o líder saiba gerenciar, positivamente, o relacionamento com o outro. Além disso, para ser persuasivo, um bom começo é educar nossa sensibilidade para os valores das pessoas, aprendendo a lidar com a vontade, sensibilidade, inteligência e características delas.

A comunicação assertiva é o primeiro passo para que a persuasão aconteça. Se não formos capazes de nos tornarmos sensíveis a esses valores nem desenvolvermos a arte da empatia, seremos incapazes de persuadir.

Como falar com segurança e naturalidade com a equipe?
O primeiro passo é acreditar em si mesmo. Reconheça sua capacidade de pensar e sentir, além de tomar decisões. Muito importante também é escutar atentamente o outro, mantendo contato visual e sem pensar no que responderá enquanto ele fala.

É preciso manter uma atitude atenta e calma, além de demonstrar respeito e consideração, formular perguntas e fazer comentários descritivos, e não avaliativos.

Há líderes que utilizam a comunicação como fonte de instrumento de poder. Quando isso é positivo e quando é prejudicial?
A comunicação é poder. A pessoa que tem esse dom pode construir ou destruir. Tudo depende da direção da sua intenção ou valores. A comunicação é positiva quando é pautada por valores éticos e respeita os liderados. Negativa quando é utilizada como instrumento de manipulação voltado a interesses particulares.

Quais são as conseqüências de uma comunicação inconstante e ineficaz para a empresa, líder e colaboradores?
Temos observado sérios problemas nas organizações devido às dificuldades de comunicação. Destacamos boicotes entre pessoas ou departamentos, mágoas por falta de entendimento e brigas, clima organizacional em negociações malconduzidas, fofocas e maledicências, equipes reduzidas, perda de tempo, demissões, procrastinações, tudo isso pode mudar a imagem da empresa com o cliente e mercado.

Para terminar, quais são suas dicas para os leitores de nossa e-zine melhorarem o processo de comunicação com sua equipe?

- Tenha consciência do seu papel e responsabilidade.
- Aja com flexibilidade e sensibilidade. Use a intuição para perceber os diferentes tipos de pessoas e atue em conformidade com cada situação.
- Participe efetivamente do trabalho do grupo e principalmente inspirando seus liderados.
- Saiba se manter calmo, controle o ímpeto e aja moderado e ponderadamente.
- Seja justo, íntegro e paute sua vida e ações por valores éticos.
- Seja um exímio comunicador, esse é seu principal recurso para influenciar, dirigir e se conectar com o grupo.
- Saiba ouvir e tratar os liderados com respeito, dignidade e consideração.


Fonte: Por Cleverson Uliana - Redator-chefe da revista Liderança
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …