Pular para o conteúdo principal

Wikinomics, o que isso significa para o meu negócio?

Uma grande mudança no cenário global abre oportunidades para grandes e pequenos. E você se pergunta: como isso pode mudar o modo como minha empresa se relaciona com o mercado?

Banda larga cada vez mais abrangente, convergência digital, e uma geração global, mudaram para sempre o modelo econômico. Hoje, é possível que pessoas de qualquer lugar do mundo possam colaborar entre si, discutir e desenvolver produtos e serviços cada vez mais inteligentes.

Seu negócio está tirando proveito disso?

No dia 29 de setembro, na feira Inovatec, em Belo Horizonte, ocorreu a palestra: Wikinomics, como a colaboração em massa pode mudar seu negócio, por Anthony Williams. Após a palestra, pude conversar um pouco com o co-autor do livro e palestrante e divido aqui alguns fatos e impressões sobre um novo modelo econômico que emerge.

Hoje, vivemos um momento em que as barreiras locais foram suprimidas. Se você tem menos de 30 anos você é parte da primeira geração realmente global. Você sabe, as coisas mudaram.

O jornalismo já não é feito da mesma maneira, a ciência também não. Diversas empresas começam a entender estas novas regras, e estão criando marcas globais aproveitando esta oportunidade que surge.

Pela primeira vez, fatores como mobilidade, acesso a experiências multimídia online e convergência podem aproximar pessoas de verdade e ferramentas permitem criar conteúdo coletivamente, de maneira funcional. Esta revolução traz dados que podem apavorar grandes marcas:

* Existem hoje 100 milhões de celulares na África subsaariana (uma das regiões mais pobres do planeta já é interligada ao mundo todo digitalmente e este é só o primeiro exemplo);
* O portal Blogger possui três vezes mais acessos que o portal da CNN;
* O MySpace é dez vezes maior que a MTV.

Dados como estes são prelúdio de uma grande mudança no cenário global, que abre oportunidades para empresas criarem comunidades, oferecendo produtos e serviços que supram realmente as necessidades das pessoas e seus desejos.

A fronteira entre o mundo digital e o real se rompe quando vemos produtos sendo gerados por uma pessoa em Londres, outra em Belo Horizonte e outra ainda em Tóquio.

As pessoas navegam o mundo real hoje, e querem mudá-lo. O Google Street View já permite ter uma caminhada virtual pelas ruas de cidades ao redor do mundo. O computador se tornou um instrumento global, já somos capazes de afetar a realidade externa à internet apenas por estarmos online. Surge um cenário em que dados estão cada vez mais disponíveis, apenas esperando algoritmos que os relacionem.

Hoje, 71% dos brasileiros jovens entre 18 e 25 anos prefeririam viver sem TV a viver sem internet. E 67% destas pessoas cria ou modifica conteúdo online.

O grande acesso à informação aumenta o conhecimento do consumidor, que se mobiliza para melhorar e alterar produtos e serviços criados por empresas. O iPhone foi desbloqueado em duas semanas e a cada release novo este intervalo de desbloqueio cai ainda mais. A comunidade em seu site oficial anuncia: “Jornalistas, não temos um líder oficial”

A cultura de colaboração se manifesta nas licenças de conteúdo intelectual, e o Creative Commons incentiva a co-criação e o remix.

Bom, após visualizar este cenário, você se pergunta: - Como isso pode mudar o modo como minha empresa se relaciona com o mercado?

As empresas que querem se aproveitar deste cenário precisam entender que seu papel será mais o de facilitadores para levar o conteúdo a quem o necessita do que criá-lo.

Para isso, é hora de se acostumar com algumas idéias:

* O departamento de pesquisa e desenvolvimento da sua empresa é o mundo;
* Acostume-se em viabilizar mais idéias externas que internas;
* Aprenda a gerenciar comunidades;
* Open Source Marketing funciona: vide Doritos Superbowl;
* Surge uma OpenDemocracy, onde pessoas usam a rede para exercer a cidadania. É o exemplo da Democracia 2.0, projeto que visa permitir que as pessoas organizem e escolham as propostas políticas mais interessantes. Ainda está em desenvolvimento, pelo meu amigo Edmar);
* Conecte quem busca solução com quem desenvolve soluções;
* Abertura e adoção de padrões criam mercados;
* Esqueça outsourcing, o futuro é worldsourcing e trabalho remoto;
* Esqueça a multinacional, a empresa do futuro é global.

Grandes mudanças criam grandes oportunidades.

Você, já começou a transformar sua empresa em uma empresa global?


Fonte: Por Diego Gomes, in adnews.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …