Pular para o conteúdo principal

Afinal, o RH é estratégico ou não?

Chega! O RH precisa se livrar de uma vez por todas desta eterna cobrança, de uma responsabilidade que não é sua. O RH, como qualquer área funcional, só pode ter um posicionamento estratégico se a empresa tiver o seu, e isto compete aos que a governam. "Estratégico" é a qualificação atribuída às ações de gestão com impactos nos resultados futuros que afetam o sucesso ou sobrevivência da empresa. Uma responsabilidade inalienável do grupo de gestão, do qual deve fazer parte o gestor de RH. Entretanto, é preciso separar os papéis e as competências exigidas de quem apenas toca uma função, daqueles que também se sentam no board e participam das decisões que afetam resultados globais do negócio, tais como rentabilidade, perenidade, valor e imagem do empreendimento. Uma empresa com sólida visão estratégica não contrata apenas um gestor de RH, mas um executivo de negócios com especialização em RH. As áreas funcionais passam a ser estratégicas quando traduzem orientações estratégicas em estratégias funcionais inteligentes e criam uma operação com vitalidade para transformar decisões em ações, resultados. Não existem matérias em RH essencialmente estratégicas. Isto depende da demanda de cada empresa. O estratégico é situacional e nem sempre sofisticado ou filosófico. Pode ser operacional, trazer paz e harmonia ou mesmo conturbar e aquecer a temperatura organizacional. A maior parte das empresas não possui um posicionamento estratégico claro e compartilhado.

Entretanto, o fato de o RH não ter uma formulação estratégica, não reduz sua importância para os negócios. O que se espera de uma área funcional é que ela tenha, sim, um pensamento estratégico para entender as necessidades (táticas ou estratégicas) de negócios para melhor atendê-las. Profissionais voltados à análise e avaliação das oportunidades e ameaças, das forças e fraquezas. O pensamento estratégico é um requisito, mesmo onde não há foco estratégico. Pensa estrategicamente quem conhece as necessidades de cada área e define estratégias alinhadas para atendê-las, por meio de uma operação, de produtos e serviços atualizados, renovados, úteis. Estratégias fantásticas desconectadas da realidade de nada servem.

O RH precisa ser estrategista, descobrir caminhos criativos frente aos problemas que confronta. Deixar de se esconder atrás de um confortável legalismo. Cobrar da área de RH um posicionamento estratégico pode ser um erro situacional. Exigir que ela seja uma estrategista competente é uma demanda justa. Quando a direção não define o sentido, os objetivos e o plano estratégico, é impossível adotar um posicionamento funcional estratégico. Mas as empresas precisam de um RH com pensamento estratégico, capaz de criar estratégias inteligentes. Bem se é isto que você chama de RH estratégico, tudo bem. Não vamos brigar por isto.


Fonte: Por Jorge Fornari Gomes, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 9
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …