Pular para o conteúdo principal

Os dez mandamentos para superar as adversidades

A formação e a reciclagem figuram entre as principais recomendações que a escola ESCP-EAP inclui no decálogo elaborado pela instituição para o profissional que pretende preservar sua carreira intacta, diante de uma crise. Os mandamentos incluem a necessidade de fomentar as redes de contato - o chamado networking - e descobrir os pontos fortes, sem esquecer outros aspectos da vida, como a família e os amigos.

Assim, o professor da ESCP-EAP e autor do decálogo, Sérgio Cardona, assinala que convém fazer um esforço para se diferenciar, por meio da formação ou dando uma guinada na trajetória profissional que permita ao executivo sair fortalecido da situação. As dicas são as seguintes:

1. Proteja sua auto-estima. Embora em tempos de crise - quando se ouvem rumores ou se constatam planos de redução de pessoal - seja difícil manter a calma, Cardona aconselha o profissional a "não se sentir amargurado". É importante saber que as transformações e as mudanças são inevitáveis. "Só assim você deixará de pensar que provocou essa situação". Pelo contrário, esse pode ser o momento de buscar fórmulas para fazer brilhar o talento.

2. Seja consciente do período de "duelo". Toda mudança começa com perda. Por isso, é natural se sentir inseguro e triste, mas o importante é não perder a perspectiva de que se trata de algo passageiro.

3. Acredite em seu próprio "conselho de administração". São sua família e seus amigos que lhe farão sentir a tranqüilidade de ter apoio incondicional. Por mais que uma pessoa passe sua vida na empresa, "você não é seu trabalho". Consulte-os, mas não leve para eles os problemas de trabalho. Na última instância, a decisão é só sua.

4. Recorra a uma rede de apoio externo. Cultive seus contatos, sem esquecer que o apoio que possa receber agora será tanto maior quanto mais importante for também seu empenho em cuidar deles: "Semear é fundamental".

5. Aproveite para redefinir sua carreira profissional. Pare e pense: "Em qual momento se encontra minha carreira profissional?", "Devo seguir na mesma linha ou empreender uma mudança?" É fundamental que defina, o quanto antes, o que quer para o futuro; do contrário, podem ser outros que forçarão uma mudança na sua vida. Adquira perspectiva: seguramente, repassando sua trajetória encontrará pistas para o futuro.

6. Descubra seus pontos fortes. Independentemente do trabalho que desempenhar, deve ser consciente de que possui determinadas aptidões que, provavelmente, não só lhe ajudarão no atual exercício de sua atividade, mas poderão inclusive distingui-lo em outro posto de trabalho, ao qual poderá optar. Descubra quais são suas aptidões e as fortaleça, tendo em conta os novos desafios sociais.

7. Permaneça no mercado. Não se desconecte nunca. Converse com os colegas de profissão sobre sua atual situação, sem esquecer os antigos companheiros de universidade ou aqueles profissionais com os quais se encontrou num evento profissional - seminários, congressos, etc. -, leia os jornais e revistas e compartilhe suas opiniões em fóruns e blogs.

8. Invista na sua formação. Sua capacidade de aprendizado é essencial. A formação não termina nunca. Manter os conhecimentos atualizados, aperfeiçoar alguma técnica ou adquirir novas habilidades farão de você um profissional bastante cotado.

9. Há vida fora da empresa. O medo de entrar numa nova carreira profissional, de se sentir de novo avaliado por seus chefes ou de sair simplesmente de uma ambiente que, por ser conhecido, resulta amigável, pode fazer o executivo esquecer que existem muitos mais lugares - e possivelmente melhores -, nos quais ele pode desempenhar sua profissão.

10. Dê tempo para pensar. Não tome decisões drásticas, nem assuma compromissos que não possa cumprir. Embora o desconforto do momento o convite a atuar com resolução, procure pensar a longo, médio e curto prazo.


Fonte: Por Expansión Madri, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 11
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …