Pular para o conteúdo principal

Comunicar & Compartilhar. Faces de uma mesma moeda

Vivemos num mundo em permanente transformação. Ao longo da história da humanidade pouco ou quase nada sobreviveu. Nos últimos anos, com a popularização da internet, conquistamos acesso quase irrestrito a informação e, com isso, a possibilidade de criar-se novos significados para antigos valores que pareciam, até aqui, imutáveis.

O sentimento de pertencimento, por exemplo, deixou de ser necessariamente presencial para se tornar também virtual. São tribos que se formam e se reformam com a mesma velocidade com que as transformações acontecem. Algum dia você imaginou que pessoas se casariam e teriam filhos sem jamais terem se tocado ou mesmo se encontrado presencialmente?

Diante destas transformações, a escrita deixa de ser um código de simples registro e ganha espaço e sentindo mais amplos, com uma linguagem característica dos tempos da internet. C vc qr ntndr u q tah scritu aki leia nu cantinhu da pahgina.” Você sabe decifrar a frase anterior? Nem eu. Foi minha filha de 16 anos quem a escreveu na linguagem utilizada online.

O cidadão comum/popular deixou de ser um agente passivo no mundo da comunicação se tornando um cidadão ativo, se apoderando da comunicação com o desconhecido, aprendendo a produzir a informação, ganhando autoconfiança e, cada vez mais, exigindo respeito a seus valores de todos aqueles que os cercam, sejam empresas ou as diferentes instâncias do poder público.

Surgem o voto de carteira (a transformação no ato de compra numa manifestação ideológica) e, mais recentemente, o prosumer (o consumidor pró-ativo). A crise que vivemos deixa exposto um sistema sócio financeiro que agoniza, tal qual um doente terminal que é mantido vivo por aparelhos, e, ao mesmo tempo, evidencia que os jovens têm razão: o mundo do “ter para ser” já era, o mundo do “interagir para existir” é que já é!

Diversas pesquisas com diferentes origens e finalidades apontam que a principal preocupação de adolescentes e jovens é com o mundo que vão herdar ou com o aquecimento global. Eles estão tão envolvidos com essa questão que alguns estão adquirindo depressão crônica, uma vez que têm acesso as informações, mas não se sentem escutados na busca de soluções. Em resumo: eles querem interagir, mas não encontram espaço em nossa sociedade que os acolham.

CEOs de empresas globais afirmaram em recente pesquisa que somente as empresas que interagirem com seus diversos públicos sobreviverão em um futuro próximo, mas eles não sabem como promover essa interação entre as empresas que dirigem e seus diferentes públicos. Quanto ao Estado, a eleição de Barack Obama, a expressiva votação de Fernando Gabeira na eleição para Prefeito da Cidade do Rio de Janeiro e o manifesto realizado após as eleições do Rio demonstram o quanto essa jovem aldeia global está conectada.


O mais interessante nesse momento em que vivemos não são apenas as transformações que acontecem, mas o fato de que a geração que ocupa cargos de poder nesse momento, nas empresas ou no poder público, vivenciou intensamente o movimento da contracultura que teve seu ápice no ano de 1968 e agora desqualifica o movimento jovem, repetindo os mesmos erros de que foram vítimas.

Como decorrência desse movimento que se auto-alimenta e se revigora a cada vitória, criam-se novas ferramentas que facilitam a comunicação entre seus integrantes, tais como o Marketing Social e as mídias interativas. Embora o Marketing Social e as mídias interativas se apresentem como novidades para a geração que ocupa cargos de poder, para os jovens, que cresceram com a internet, que se habituou a produzir seu próprio conteúdo, criando uma cultura própria, onde o pessoal e o social interagem permanentemente (veja a internet, a TV digital, os jogos de RPG, o celular, o funk, o hip hop, o street basket, etc) tanto a metodologia do marketing social quanto as mídias interativas fazem parte de seus cotidianos, assim como o telefone fez parte da cultura da geração de 68.

Com toda a certeza quem quiser se comunicar num futuro próximo, além de saber falar, escrever, ler terá que interagir, ouvir, acolher, compartilhar.


Fonte: Por Paulo Silveira, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …