Pular para o conteúdo principal

Visa leva marketing para a praia em ação com "barraqueiros"

Pagar água de coco, sorvete, tapioca, gás de cozinha e passagem de ônibus com cartão bancário? Sim, isso já é possível. e, neste verão, vai surpreender seus clientes em férias no Nordeste, Florianópolis e no Rio de Janeiro. A meta é instalar 250 máquinas, com tecnologia sem fio, em carrinhos do sorvete Kibon - fabricado pela Unilever - em todo o Nordeste. O projeto piloto, lançado no último sábado, em Natal, no Rio Grande do Norte, está permitindo a compra de picolés com cartão para débito automático do Visa Electron. No Rio de Janeiro, a parceria é com os carrinhos de praia do sorvete Nestlé.

No Recife, a água de coco da orla da praia de Boa Viagem este mês passou a ser vendida com cartão e, em Salvador, são os espetinhos de camarão da Camareto - comercializados em quiosques ou por vendedores que vão até o cliente na beira da praia. Em Fortaleza, é a vez das tradicionais tapiocas. Para Fábio Camarotti, diretor-comercial no Nordeste da Visanet, os turistas e as pessoas que evitam sair com dinheiro serão os principais usuários das vendas com cartão nesta temporada.

Em Florianópolis, a Visanet instalou máquinas nos ônibus, com preço fixo da passagem, onde o próprio usuário passa o cartão de débito automático. Em todo o País, a parceria com Ultragás, permite a compra de botijões de gás de cozinha. Não escapa mais nada. "Nossa política é colocar o plástico em todos os segmentos de comércio e serviços, não importa o valor da venda", revela. Na Bahia, as construtoras e imobiliárias passaram a aceitar sinais e outros pagamentos de imóveis com o cartão Visa - o limite é o de cada cliente.

Nichos promissores
A expansão vem atrelada à tecnologia sem fio que dispensa a energia elétrica para o uso das máquinas e a descoberta de nichos que demandam a oferta do crédito, mesmo que ainda de forma latente. A parceria com a Associação dos Barraqueiros de Coco do Recife (ABCR), que começa com 11 das 61 barracas instaladas na orla, foi bem aceita pelos barraqueiros que, segundo Camarotti, já pensavam em oferecer cartão de crédito, mas não sabiam como ter acesso às operadoras. "Há muitos segmentos que desejam mas não buscam, não sabem como chegar, pensam logo que vão ter de pagar impostos".

A estratégia de aproximação e de convencimento da Visanet é de que, mesmo deixando de receber à vista e tendo que arcar com as despesas administrativas e a taxa do aluguel da máquina, os seus clientes terão suas vendas aumentadas. "Pesquisas mostram que quando entramos em novos mercados, o consumidor compra mais", diz.

A invasão do plástico chega a setores onde a informalidade impera como no pólo de confecções do Agreste de Pernambuco, onde o cartão é rotina nas bancas de roupas populares das feiras de Santa Cruz do Capibaribe e de Caruaru. Para abrir esses mercados, a Visanet dá desconto de 70% no aluguel da máquina, que custa R$ 39, e exige que, para o cadastro, apenas um alvará de funcionamento.


Fonte: Por Etiene Ramos, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 6
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …