Pular para o conteúdo principal

Confiança: item básico da felicidade no trabalho

O economista John F. Helliwell é um renomado estudioso de macroeconomia, política monetária e globalização. Autor de How Much Do National Borders Matter? (“Qual a importância das fronteiras nacionais?”), deu aulas nas universidades Harvard e Oxford e hoje é professor da canadense British Columbia. Nos últimos anos, cansado de lidar somente com assuntos áridos, decidiu mudar o foco de suas pesquisas. Começou a estudar os fatores que influenciam a nossa felicidade, um tema comumente tratado apenas por best-sellers de auto-ajuda.

O estudo de Helliwell – baseado em 30 mil entrevistas realizadas no Canadá e nos Estados Unidos – revela que a confiança nos colegas e nos chefes é fundamental para o bem-estar dos funcionários. O economista desenvolveu uma fórmula para medir essa influência, na qual a confiança existente num ambiente de trabalho é avaliada numa escala que vai de 1 a 10. O aumento de um único ponto tem um efeito sobre a felicidade dos funcionários equivalente a um reajuste de 40% em seus rendimentos.

As pessoas tendem a superestimar o papel do dinheiro em seu bem-estar e a subestimar a importância de suas relações diárias, afirma o economista. Quando recebem um convite para um novo emprego, costumam pensar apenas no cargo e no salário. Não dedicam nenhuma preocupação ao ambiente dentro da organização. E as empresas perdem dinheiro ao dar de ombros para o problema, afirma Helliwell. Lembra que estudos anteriores já mostraram que os empregados felizes são mais produtivos do que aqueles que estão de mal com a vida. “Os departamentos de Recursos Humanos preferem se preocupar com problemas periféricos, como a substituição de funcionários que deixam a empresa e festas de aniversário para os que permanecem”, afirma.

O que uma empresa deve fazer para ganhar a confiança dos funcionários e também para melhorar a relação entre eles? A resposta não consta do estudo do economista, mas em entrevista ao Gallup Management Journal ele afirma que, uma vez perdida a confiança, é difícil recuperá-la. Acha, porém, que uma companhia passa a ser vista como mais confiável quando reduz o número das pequenas prestações de conta que impõe aos que nela trabalham. Os benefícios resultantes do aumento de confiança compensam eventuais prejuízos causados por funcionários mal-intencionados.

A prestação coletiva de serviços comunitários pode também melhorar a relação entre os funcionários, assim como a realização de retiros nos quais pratiquem atividades em conjunto, como caminhadas e rapel. É importante que essas iniciativas não sejam impostas pela cúpula da empresa, mas surjam de sugestões de seus colaboradores, o que ajuda a aumentar o seu comprometimento com o negócio.


Fonte: epocanegocios.globo.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …