Pular para o conteúdo principal

Em 2009, não ouse. Invista em mobile marketing

Começa o novo ano e as turbulências causadas pela crise mundial acabaram por sedimentar a percepção de que o melhor a fazer é agir com cautela, não ousar e concentrar os investimentos publicitários no que é certo, garantido e, até mesmo, óbvio.

No entanto, é importante pensar que ser mais cauteloso não significa ser mais tradicional. Em tempos de crise, torna-se absolutamente necessário investir com maior precisão. Investir certo e falar com o público de maneira mais direta e eficiente.

Neste cenário, faço uma recomendação também óbvia: não ouse mesmo. Invista apenas no mais certeiro, no meio que pode trazer melhores resultados para sua marca. Aí entra o mobile marketing e sua trinca poderosíssima: cobertura, receptividade e eficiência.

Atualmente, há mais de 150 milhões de celulares habilitados no país. Logo, mobile passa a ser um meio com cobertura comparável à TV aberta, com as vantagens claras de ser absolutamente pessoal e estar o tempo todo com o consumidor.

Além disso, é um meio que o consumidor adora. Em dezembro passado a MMA (Mobile Marketing Association) divulgou um estudo sobre a receptividade do consumidor brasileiro ao mobile marketing. Para surpresa geral, 74% dos entrevistados mostraram interesse alto ou moderado em receber esse tipo de publicidade e 72% se disseram dispostos a integrarem as listas de permissão das operadoras (bases opt-in).

Por fim, o modelo de negócios em mobile é baseado em performance. O anunciante paga rigorosamente pelo que tem de resultado. Paga pela eficiência da campanha, pelo volume de interações com o target, ou melhor, pelo número de conversas travadas em tempo real com o consumidor final.

Amarrando tudo, temos um meio com grande cobertura, altíssima receptividade do consumidor e no qual se paga apenas pelo resultado efetivo. Logo, nada menos ousado e mais tradicional do que investir em mobile marketing.

Por isso, meus amigos, digo para agências e anunciantes não arriscarem e investirem no certo. Insisto para investirem num meio em que o consumidor está aberto a ouvir e no qual se paga apenas por aqueles que efetivamente ouviram sua mensagem. Parece bem simples: 2009 é o ano do mobile marketing.


Fonte: Por Leonardo Xavier - sócio-fundador da Pontomobi Interactive, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …