Pular para o conteúdo principal

A força do conteúdo

Digo logo de início que não sou especialista em administração de crises. Aliás, cruzes, se eu tiver de enfrentar uma, certamente chamaria a LVBA ou alguma outra agência com essa estatura e tradição para me socorrer. Mas creio que posso dar um depoimento num sentido talvez mais filosófico ou da pragmática de nossa atividade.

Não existe no mundo, até onde conheço, outra escola de relações públicas tão fortemente influenciada pelo jornalismo, como a brasileira. E foi graças a essa influência que desenvolvemos por aqui um know how próprio que deu às nossas agências, de certo modo, “cara de conteúdo”.

Ora, tenho aprendido em anos de vivência, com nossas próprias agências, que ações preventivas podem evitar a chegada da crise, mas que, uma vez instalada, ela precisa ser tratada com transparência, ética, rigor informativo, agilidade, para minimizar o estrago.

Influenciadas pelo espírito jornalístico, que se deveu à acentuada migração de profissionais com essa formação para a comunicação corporativa, seja diretamente nas organizações, seja nas agências, as técnicas de relações públicas priorizaram instintivamente as características daquela atividade, adicionando-as às técnicas convencionais de relacionamento com os vários públicos.

Nesse sentido, conteúdo é a palavra chave e talvez um dos elementos essenciais do sucesso de grande parte das ações do universo corporativo brasileiro, junto aos seus vários públicos de interesse, especialmente a mídia. Essa é quase uma condição sine qua non para qualquer ação de comunicação que se queira desenvolver. Se tiver conteúdo, tem ação; se não tem...

Discernir e qualificar bons conteúdos são tarefas para profissionais preparados e aí o jornalismo ganha força. Quando ele se associa às técnicas re relações públicas, ambos se fortalecem e ganham sustância e argumentos para enfrentar todos os cenários, inclusive os desfavoráveis, advindos de alguma crise.

Hoje o mundo é tão complexo e os ambientes e comportamentos sociais tão diferenciados, que outras matérias, segundo várias personalidades do mundo da comunicação asseguram, começam a ganhar relevo no mundo da comunicação, caso da sociologia, da antropologia, das letras jurídicas etc.

Mas qualquer que seja a evolução penso que ela sempre privilegiará o conteúdo e é só ver o que se passa com a internet nos dias atuais, com a força da chamada mídia social, para se dar conta desta minha afirmação. Se estamos entrando na era das pessoas, da personalização, em detrimento da era da comunicação de massa, o conteúdo de qualidade passa a ter um valor ainda mais inestimável para o sucesso das ações, quaisquer que sejam elas.

Creio que ao abraçar alguns dos valores do jornalismo, a Comunicação Corporativa e Institucional saiu-se vencedora e hoje é certamente benchmarking para outras escolas mundiais. Somos, afinal, pioneiros.

Numa crise, sobretudo com desdobramentos na mídia, nada mais adequado do que usar as mesmas ferramentas e valores que ela usa, para dialogar. Isso não muda de modo algum a verdade dos fatos, mas amplia as chances de uma organização ser ouvida com mais atenção e boa vontade e, mais ainda, de ser entendida.



Fonte: Por Eduardo Ribeiro - Diretor do Jornalistas & Cia, in criseecomunicacao.blogspot.com
1 comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …