Pular para o conteúdo principal

Microempresas adotam o comércio colaborativo

O conceito da web 2.0 está inspirando empreendedores do mundo real. Jovens empresários criaram novos negócios utilizando o modelo de "conteúdo colaborativo", no qual consumidores participam da produção e divulgação do material. No comércio colaborativo, porém, em vez de textos e fotos, são mercadorias como roupas, calçados e objetos que entram e saem das gôndolas ao sabor do gosto do público.

O projeto Endossa, em São Paulo, foi um dos primeiros a adotar o conceito. Criada pelos publicitários Gustavo Ferrioli, Carlos Margarido e Rafael Pato em março, a loja aluga espaços em suas prateleiras para quem quiser vender seus produtos. Mas as mercadorias só permanecem no local se atingirem uma cota mínima de vendas a cada mês. "Quem compra acaba decidindo o que vai ficar", diz Ferrioli, de 25 anos.

Hoje, a Endossa abriga 131 "mini-microempreendedores" - como os donos batizaram os estilistas, designers, inventores e artesãos que expõem na loja. Eles pagam mensalidades que variam de R$ 80 a R$ 550, de acordo com o tamanho do espaço. O valor inclui, além da exposição no varejo, serviços de apoio como um software para acompanhamento de vendas e estoques, além de um perfil da marca no site da empresa.

Além de oferecer uma nova proposta de comércio, a iniciativa tem o objetivo de diminuir os obstáculos para os criadores, afirma Ferrioli. "É uma forma de entrar no circuito comercial sem depender de consignações ou das feiras."

A estratégia parece estar dando certo nas duas pontas. Segundo Ferrioli, há uma lista de espera com 100 "mini-microempreendedores". A maioria dos expositores, por sua vez, tem cumprido as metas de vendas, fixadas entre um a três vezes o valor do aluguel. O giro mensal de novos criadores é de 20%. "Alguns têm vendido até dez vezes mais que a meta."

É o caso do designer de camisetas Leandro Domenico. Sua marca El Cabritón existe há dois anos, mas só era vendida em feiras de artesanato e design. Desde março, ele tem um "quadrado" na Endossa, que fica na rua Augusta, região do centro de São Paulo conhecida por seus freqüentadores jovens e "alternativos". "O sistema de metas é estimulante, te obriga a estar sempre renovando", diz. Para Domenico, compartilhar espaço com outros criadores atrai um público diversificado, impulsionando as vendas.

A Casa 66, também em São Paulo, é outro exemplo de conteúdo colaborativo que chegou às ruas. A loja reúne cerca de 20 marcas de roupas e acessórios. Cada grife paga uma taxa de exposição e uma porcentagem sobre as vendas em troca da infra-estrutura. O sistema de metas, porém, é mais flexível. Os criadores podem ficar até seis meses, prazo para verificar a receptividade do público. Se a reação não for positiva, o expositor perde o espaço.

O conceito da web 2.0 também foi utilizado pela Camiseteria - mas com adaptações. O negócio, criado em 2005 pelo carioca Fábio Seixas, aposta na venda de camisetas pela web. As estampas dos produtos, porém, são criadas e escolhidas pelos consumidores. Os desenhos mais votados pelos usuários são impressos nas camisetas e, depois, postas à venda no site.


Fonte: Por Marianna Aragão, in www.estadao.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …