Pular para o conteúdo principal

Novas mídias são tendência para 2009

O termo "novas mídias" geralmente é usado como referência à soma de novas tecnologias e métodos de comunicação para se diferenciar dos canais tradicionais, como televisão, radiodifusão, imprensa, etc. E é a terminologia da moda, ainda mais quando miramos a crise atual, que pode se intensificar em 2009. Com o advento de novas mídias - grupo do qual faz parte o conceito de "no-media" -, a tendência é que as verbas publicitárias migrem dos canais ortodoxos para novas formas de comunicação, por vezes menos custosas e mais segmentadas, com o objetivo de atingir diretamente o público-alvo.

Isso já é realidade se observarmos os cortes de funcionários nas tradicionais agências publicitárias. Nos últimos 3 meses, mais de 90 pessoas foram demitidas em somente 3 grandes agências. Por outro lado, o segmento de web e "no-media" contrata cada vez mais. Os investimentos que a DM9DDB realizou nesse ano em mídia eletrônica cresceram 250% em relação ao ano passado, setor que elevou sua participação no faturamento da empresa para 6%.

O "no-media" pode ser entendido como mais um canal de distribuição de conteúdo ou como um novo canal de comunicação. As novas mídias desse conceito mais recorrentes são a internet, os comunicadores instantâneos, celular, mídia indoor e eventos. Para a área de comunicação, convém ressaltar que os avanços podem ser benéficos e lucrativos, visto que, a partir dessas novas mídias, as companhias podem interagir com seus consumidores de modo mais direto: podem ver o que eles querem, seja por meio de sítios de relacionamento, de blogs e podcasts, ou ainda por meio de seus próprios sites, com o conceito de participação do usuário.

Segundo o professor e pesquisador José Luiz Braga, superamos já uma percepção de que os usuários dos meios ditos "de massa" seriam homogêneos, passivos e, portanto, manipuláveis. Acrescenta: "reconhece-se hoje uma possibilidade de resistência, baseada em mediações culturais extramidiáticas". O que Braga fala fica mais evidente na internet. Nos últimos cinco anos, os principais endereços que a rede consolidou como fonte de informação têm seu conteúdo inteiro produzido pelo leitor. Seja a enciclopédia colaborativa Wikipedia ou o YouTube, responsável por um acervo da televisão brasileira que as emissoras nunca tornaram disponíveis.

A queda nas receitas, nos lucros e na tiragem de exemplares das companhias de mídia tradicional, por exemplo, tem a ver com a ascensão das novas mídias.

Segundo o publicitário Leonardo Lawrence, "o mercado da mídia vivenciará, cada vez mais, a disputa entre os chamados ''meios de comunicação de massa'' e a mídia participativa". Lawrence ressalta que "as novas mídias, como indoor, digital signage, marketing pelo celular, websites colaborativos, entre outras, não são mais o futuro. São o presente".

Essa multiplicidade de conteúdo, advinda de diversas fontes que não a mídia tradicional, propõe novas realidades. O Google, por exemplo, é a organização de mídia mais valiosa do planeta - e certamente a mais conhecida e acessada. Sua capitalização nos mercados de ações equivale a 50% da Time Warner, maior conglomerado mundial de mídia tradicional. E o Google é livre. Não vende informação, nem conteúdo.

Vive-se, então, a fase das novas tribos, como aponta o antropólogo Michel Maffesoli em seu livro "O Tempo das Tribos" (2000), que trata dos novos grupos sociais - o ser humano atual é mais do que apenas público ou leitor. "As novas tribos determinam a guinada da mídia tradicional para as novas mídias. O mundo hoje não é mais apenas o mundo dos jornais, das revistas. Mas também dos wiki", afirma Lawrence.


Fonte: Por Luiz Paulo Bellini Jr. e Thiago Pereira, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 8
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …