Pular para o conteúdo principal

Comunicação tem de mudar para atender a classe emergente

Uma pesquisa realizada pela McCann Erickson, em parceria com o instituto Data Popular, mostra que a classe C mudou: não aspira mais ter e sim, ter o melhor. Diante desta mudança de paradigma, os executivos da agência começam a reformular a comunicação para esta "nova classe emergente". A classe média é o foco de uma unidade de negócios da agência: a Bairro - que já existe em países como México, Chile, Colômbia e Panamá.

"Houve uma mudança de comportamento: eles (classe C) não vão abrir mão das conquistas adquiridas e isso traz implicações comercias, sem dúvida, de comunicação, mas também política, principalmente em um momento de crise", diz Fernando Mazzarolo, presidente da McCann Erickson no Brasil.

O levantamento durou dois anos e foi concluído em janeiro - e apresentado ontem. No Brasil foram mil questionários, em São Paulo, Rio de Janeiro, Recife, Porto Alegre e Goiânia, com casais de 20 a 50 anos, e renda mensal de R$ 1 mil a R$ 2 mil. Entre as conclusões, o estudo mostrou que 44% apontam para o financiamento em 36 meses como forma para a compra de carro, enquanto o cartão de crédito ainda é pouco usado: 67% dizem que o usam de forma moderada, em poucas compras. Mazzarolo diz que este tipo de informação - e outras levantadas - é importante para os clientes da agência e, por isso, a McCann Erickson está apresentando a eles a pesquisa, de forma setorizada, para que seja feito um plano de ações a partir dela. Segundo ele, alguns clientes já estão na fase do desenvolvimento e aprofundamento do plano de ações.

De acordo com o levantamento, a tecnologia tem o papel que os eletrodomésticos tiveram um dia: o computador e o DVD fazem parte do entretenimento da família, com 58% e 57% das respostas, respectivamente. Entre os entrevistados, 80% dizem que acham o computador fundamental e que "não dá para viver sem ele". Mazzarolo ressalta que a importância dada ao computador e ao meio digital mostra uma mudança comportamental que afeta profundamente a comunicação, "Temos trabalhado de forma significativa no on-line. Tem toda uma geração que está ingressando no mundo digital, e em até quatro anos estaremos consolidando esta revolução", acredita. Entre os itens tecnológicos mais desejados figuram a TV de plasma (68%) e o celular com câmera (66%).

O levantamento também ouviu a opinião dos entrevistados sobre a comunicação para eles. Segundo a pesquisa, a classe C quer mais informação na propaganda. Temas variados como nutrição, tecnologia, cartão de crédito e dicas de como falar ou se vestir são atrativos para a amostra. Artistas de origem modesta, no estilo "gente como a gente", causam identificação, mas o discurso deve ter humor, preferido em relação às usuais lições de vida. Eles preferem ver gente de bem com a vida em vez de gente batalhadora (42%) e o comercial que vende sonho do que aquele que mostra a realidade (34%).

Outro dado importante apresentado é que 46% dos entrevistados afirmam que uma propaganda de oferta não necessita de música e nem história; 44% também dizem que um comercial bom não conta história, mas só mostra o produto.

Para os pesquisados, as marcas renomadas são fundamentais para a comida das crianças (71%); eletrodomésticos (70%); alimentos de casa (65%); carro (63%) e produtos de beleza (60%).


Fonte: Por Neila Baldi, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 10
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …