Pular para o conteúdo principal

Contato com o consumidor estimula marketing cenográfico

Exagero ou não, as empresas do chamado marketing cenográfico - preparação de ambientes, como eventos ou lojas, para ações de comunicação - asseguram que ainda não viram sinal de crise econômica. O segmento pertence à área de marketing promocional, que ano passado movimentou R$ 27 bilhões no País, um aumento de 17,4%. E a estimativa, para 2009, da Associação de Marketing Promocional (Ampro) é de um crescimento de dois dígitos, como nos últimos anos.

"Para nós, a crise só está impulsionando os negócios", diz Nelson Rocha, presidente da Criacittá, que atua no setor. Segundo ele, o crescimento no primeiro bimestre de 2009, em relação ao mesmo período de 2008, foi de 50%. Para Rocha, em um momento de dúvida e precaução, "as empresas direcionam os seus investimentos para ações de contato direto com o consumidor".

Para Regiane Pastoriza, sócia-diretora da Touché, o ano será de redução de eventos grandes. Ela não acredita, porém, que a cenografia possa ser prejudicada, pois pode ser incorporada a qualquer evento.

"Ainda não vi crise", diz o presidente da MChecon, Marcelo Checon. Segundo ele, dos clientes "fixos" - que todos os anos pedem produtos para a empresa - apenas um reduziu a verba para eventos em 50%. As demais reduções foram da ordem de 5% a 10%. "Mas estamos acostumados a trabalhar com ‘ginástica orçamentária’". Em 2008, a empresa cresceu 55%, enquanto a projeção para este ano é de 10%.

Tendência
Para Checon, o investimento em marketing cenográfico tende a crescer em um segmento: o ponto-de-venda. Hoje, este tipo de ação representa apenas 10% do trabalho da MChecon - 30% são eventos fechados e 60% feiras comerciais.

Avaliação semelhante tem Rocha. Ele acredita que o varejo vai ser a vedete de 2009. Para ele, as marcas querem ter contato com direto com o consumidor, o que favoreceria o marketing cenográfico no ponto-de-venda.

Um exemplo de aproximação total com o cliente é a denominada "loja-conceito" do Magazine Luiza . O projeto criou "ilhas de experiência" na loja, em que um interlocutor apresenta as marcas, de forma prática, cujos benefícios podem ser experimentados na hora.

O cliente
A professora Viviane Krepaldi, por exemplo, usou uma dessas ilhas - um salão de beleza. "O espaço é um diferencial e uma motivação para o cliente voltar e comprar", diz.

O gerente de promoções do Magazine Luiza, Marcos Oliveira, diz que a loja-conceito - inaugurada no ano passado, no Shopping Aricanduva, em São Paulo - faz parte do projeto de expansão da rede na capital e deverá ser replicada em outros mercados. A loja tem espaço destinado às crianças, padaria, cabeleireiro, gourmet, salas de TV, entre outros. "Ao convergir as ações para o cliente em um único lugar, o espaço reforça o posicionamento de marca, que é o ‘vem ser feliz’", afirma.

Na Touché, o foco é o marketing cenográfico em eventos, estratégia que deve ser fortalecida em 2009.


Fonte: Por Neila Baldi, in Gazeta Mercantil/Caderno C - Pág. 8
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …