Pular para o conteúdo principal

Crescimento do E-commerce na classe C

Que o comércio on-line está a todo vapor, todo muito sabe, mas o que antes era privilégio de poucos, hoje quase todos têm acesso, inclusive os consumidores da classe C, segmento de consumidores que ganhou poder de compra recentemente e está começando a comprar pela internet. Mas, assim como no varejo d e concreto, este público tem um comportamento diferente quando a compra é realizada no meio virtual.

A classe C é a que mais cresce entre os consumidores on-line. No Pontofrio.com, inclusive, já há estratégias especificas para esse público, como apresentação do produto em vídeo, em 3D, parcelamento maior e outras vantagens para fidelizar o cliente. “Os consumidores da classe C muitas vezes não compram na primeira vez, são menos impulsivos e gostam de pesquisar”, afirma Patrick Scripilliti, Gerente de Marketing do Pontofrio.com em entrevista para o Mundo do Marketing. Até o fim deste mês, a rede de varejo ampliará o número de parcelas para as compras on-line, que hoje estão em 12 parcelas, na média.

Se antes o jovem era quem comandava as vendas on-line, hoje essa faixa etária mudou. Dados do Ibope mostram que no período entre julho de 2005 e julho de 2006, dos brasileiros que fizeram compra pela Internet, apenas 19% tinham entre 35 e 44 anos. O mesmo período foi analisado entre os anos de 2007 e 2008 onde esse percentual subiu para 28%.

Lojas virtuais populares
O comércio eletrônico vem crescendo, mas para atingir mais consumidores, precisa conquistar a classe C. Prova disso é a Casas Bahia. No início deste mês a empresa estreou sua loja virtual com um investimento de R$ 3,7 milhões. A expectativa é que a pontocom responda por 2% do faturamento total da empresa. “A Casas Bahia trouxe à tona essa questão das classes mais baixas comprarem pelo computador e mostra a importância desse canal para as empresas”, afirma Rafael Lamardo, professor da pós-graduação em gestão empresarial e inovação tecnológica da ESPM, em entrevista ao site.

Ainda de acordo com Lamardo, ano a ano as pessoas ficam cada vez mais confiantes para comprar pela Internet. A popularização da banda larga e da compra de computadores pela classe C mostra um processo natural de amadurecimento do uso na rede para fazer comprar. Mas isso não quer dizer necessariamente que essas pessoas se tornarão consumidores on-line de imediato.

Para os clientes de baixa renda a compra é mais emotiva, torna-se quase um evento. E na Internet a compra é mais racional e nem sempre a racionalidade está associada ao produto e sim ao processo de compra. “A rede vai passar a ser um processo de compra sim pela classe C, mas isso levará um tempo. Achar que as pessoas sairão comprando pela Internet é um equívoco”, conclui o professor Rafael Lamardo.

Preferências na Rede
Os produtos de informática já lideram o ranking de compras dessa fatia de mercado. E as empresas que desejam atender a classe C de consumidores devem adaptar-se aos novos hábitos, facilitando as compras de produtos que antes não faziam parte do orçamento.

Para Daniele Daud, Diretora Executiva da QualiBest, as lojas de departamento têm maior potencial com esse público na Internet. “As magazines vendem de tudo e os consumidores podem comparar os preços. Há uma melhor forma de pagamento além da grande variedade de produtos”, conclui em entrevista.

De acordo com dados referentes ao primeiro semestre de 2008 do e-bit, instituto de pesquisa que monitora o e-commerce no Brasil, houve um crescimento relevante. Em 2005, as vendas concentradas nas mãos de pessoas com renda familiar de até R$ 3 mil representava 31%. Hoje esse número cresceu para 35%. As classes D e E também apareceram no radar do comério eletrônico. Em 2001 era 6% e atualmente corresponde a 8% das vendas.


Fonte: Por Priscila Rivas, com reportagem de Thiago Terra, in www.mundodomarketing.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …