Pular para o conteúdo principal

Diálogo com o empregado: utopia ou realidade?

No processo evolutivo do homem, da sociedade e das organizações, as presenças da informação e da tecnologia foram determinantes para as transformações ocorridas nos vários campos e nos comportamentos individuais e coletivos. Na contemporaneidade, as possibilidades tecnológicas e o acesso à informação mudaram de forma mais evidente e rápida o perfil do indivíduo como cidadão, profissional e empregado. Mais informado, cada vez mais ele requer participação nos contextos social e organizacional, o que vem sendo objeto de modernas teorias de gestão, com reflexos nos processos comunicacionais.

Chanlat (1996, p. 41) afirma que “[...] toda sociedade é, com efeito, um conjunto econômico e cultural situado em um contexto espaço-temporal dado [...]”. Assim, as relações de produção, hábitos, valores e recursos, próprios de cada momento histórico, são refletidos nos modos individual e grupal de viver, pensar, agir e se comunicar.

No cenário contemporâneo, as organizações, impactadas pelas ocorrências no macrocontexto, precisam gerenciar seus relacionamentos com base na perspectiva do outro e no intercâmbio de opiniões, além de considerar seus públicos, em especial os empregados, como interlocutores, e não mais como “depositários” de informações que mais interessam a elas do que a eles. Só assim as organizações poderão construir sentido para suas mensagens e ações.

Construir sentido é promover uma comunicação que permita ao empregado entender o que, para que e por que faz, como ele pode colaborar com a organização, aonde esta pretende chegar, o que ela espera dele e o que ele ganha com as ações e decisões que nela ocorrem. Uma comunicação, portanto, que possibilite ao empregado participar, intervir, divergir e, com isso, desenvolver um sentimento de pertencimento à organização.

Para tanto, o processo comunicacional interno deve ir além dos modelos tradicionais e utilizar-se dos recursos que a tecnologia disponibiliza, apropriando-se da interatividade, da rapidez e da simultaneidade que eles oferecem, sem abandonar, no entanto, o estímulo à comunicação face a face, direta, sem intermediações. Apesar da importância da tecnologia nesse processo, a base da interação entre os homens é o universo cognitivo, o repertório de valores e os conceitos próprios de cada indivíduo, com suas perspectivas singulares.

A comunicação interna contemporânea tende a refletir as demandas de uma sociedade que coloca a informação e a participação como centro dos relacionamentos, ampliados e facilitados pelas tecnologias disponíveis e direcionados para (bons) resultados para os negócios. Busca-se, então, dar à comunicação a dimensão e a configuração adequadas aos valores e à complexidade desta era, para que ela acompanhe os movimentos do homem e da sociedade e alcance seus objetivos.

O entendimento da influência de variáveis externas e internas na organização e em sua comunicação pode levar à compreensão de como e porquê a comunicação interna chegou ao propósito de construir sentido para o que se refere à empresa, em direção a “[...] um novo relacionamento em que todos são considerados parceiros, participam do negócio e procuram soluções que sejam boas para ambas as partes” (OLIVEIRA; SILVA, 2006, p. 7).

Naturalmente, a organização que adota esse conceito de comunicação tem seu cenário e estrutura alterados com relação ao controle da informação (e do poder), já que precisa fundamentar seus relacionamentos no intercâmbio de experiências, no compartilhamento de informações e ideias, enfim, no diálogo, em busca do entendimento. Assim, as coisas podem fazer sentido e, quem sabe, gerar (bons) negócios. Utopia ou realidade? Em discussão.

Referências
CHANLAT, Jean-François. “Por uma antropologia da condição humana nas organizações”. In: _ (coord.). O indivíduo na organização: dimensões esquecidas. São Paulo: Atlas, 1996. v. 1.
OLIVEIRA, Jayr Figueiredo de; SILVA, Edison Aurélio da. Gestão organizacional: descobrindo uma chave de sucesso para os negócios. São Paulo: Saraiva, 2006.


Fonte: Por Éllida Neiva Guedes - professora de relações públicas da UFMA, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …