Pular para o conteúdo principal

Do Broadcast ao SocialCast: recriando a comunicação

O Brasil vive o maior boom de crescimento em número de acessos residenciais à Internet desde 2000. Para quem trabalha, estuda ou gosta da área de marketing digital já tem reparado que a quantidade de investimentos no setor tem aumentado de forma quase que exponencial, ainda que com uma reconfiguração dos métodos de abordagem e de repercussão do discurso organizacional. A cada dia mais clientes procuram mais agências querendo uma inserção maior com campanhas e ações de relacionamento no meio, até pela constatação de que mesmo a classe C já tem 38% de penetração na rede. Este panorama instigou o II Digital Media Conference, seminário que reuniu no dia 11 de março de 2009 mais de 200 executivos no Hotel Tryp Paulista em São Paulo/SP, organizado pela CorpBusiness.

São entre 50 e 55 milhões de usuários de internet no Brasil, já considerado o segundo maior meio de massa, com 25% do tempo consumido em mídias no país. O painel de abertura tratou das novas tendências e das novas mídias digitais com o consumidor no controle e várias mudanças conseqüentes na estratégia das empresas. Michel Lent, diretor de Criação da Ogilvy, não tem dúvida de que o mundo se digitalizou, que nunca esteve tão conectado com tanto acesso à produção de conteúdo, com ferramentas de fácil manuseio e de amplo alcance de publicação e debate. Sobre a profusão de materiais criados e em circulação, ele acredita que quantidade dá qualidade, e que a rede é o melhor filtro para selecionar as boas fontes. Até porque esta posição do “profissional” concorrendo com o “amador” é relativa, dado não ficar claro quem exatamente fica sob qual classificação atualmente. Talvez a única forma de separar os conteúdos seja porque os profissionais têm condições de usar super-produções que geram um consumo com agregação de valor, afora utilizarem-se de “canhões de audiência”, como o MSN; o que, contudo, não garante aceitação pelos internautas. Ainda assim, opina que “a publicidade não será substituída pelo conteúdo gerado pelo consumidor, mas já foi profundamente impactada por ele”.

Abel Reis, diretor-presidente da Agência Click, cita alguns “trends” para 2009. Para ele, os meios digitais tornam o tempo mais elástico e quatro grandes forças aparecem. O “nomadismo”, que é um conceito atribuído a tribos e raças que não têm sede fixa e vagueiam errantes, traz a noção de que o “celular, bluetooth, wi-fi são como carcaças exo-esqueleto-digitais para circular na vida urbana”. Já a “des-sitelização” diz respeito à fragmentação e não consolidação de contatos e conteúdos num mesmo ponto, outrossim disseminando a presença digital, o que indica uma perda de centralidade dos portais corporativos. Por “experiências cinestésicas”, ele trata do digital que vai ultrapassar a experiência de internet empacotada em determinados meios de telas, links e cliques, indo para outras esferas. Por fim, o “open source branding” é o entendimento de que as marcas já não são ativos que pertençam a uma organização. “É um objeto social que circula nas redes e dá sentido à vida das pessoas. O consumidor é um novo ator em cena”, explica. A única forma das empresas operarem nestes sistemas é num constante fluxo de experimentação, transformando o ativo de conversação das redes sociais em inteligência para sua recriação. É estar presente nos meios digitais pronto para aprender com eles.

A concepção de que se está numa transição do modelo broadcast para o socialcast, onde todos falam com todos, foi defendida por Marcelo Coutinho, diretor do Ibope Inteligência. A cultura do remix, com permanente recriação de conteúdos, e a cultura do fun, com pessoas que seguem uma pessoa ou uma marca e veiculam conteúdos espontaneamente pelos meios digitais, revolucionam a forma de relacionar-se. Ele vê que a importância da rede será crescente, até porque nos Estados Unidos em dezembro de 2008 já houve empate na audiência da TV com a internet na faixa dos 25 anos. No Brasil, 57% dos internautas usam redes sociais, sendo que 68% deles faz upload de vídeos online, mostrando o alto poder de criação e compartilhamento. Sobre a dinâmica da formação de opiniões online, cita Danton Watts que diz que o filtro não são mais os famosos formadores de opinião, que os meios de comunicação são agora ruído de fundo de outras atividades (como estar na internet) e que a importância da rede vai ser cada vez maior, como conceito de viver em sociedade. Neste sentido, Coutinho fala que o mercado econômico é dos meios de comunicação de massa, mas o mercado social é das redes, sendo que o post pago é um recurso típico do mercado econômico inserido noutro contexto, por isto sendo tão criticado. “Um outro capital está em ação, a divisão de conteúdo não acontece por dinheiro, mas por prestígio. A moeda é a confiança, a satisfação emocional”, complementa. A principal característica é a conversação, sendo que “estamos acostumados a ter monopólio da conversa, e no mercado social o trabalho é de desmembramento”.


Fonte: Por Rodrigo Cogo – Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …