Pular para o conteúdo principal

Escuridão para alertar sobre o aquecimento global

A "Hora do Planeta" é um ato simbólico promovido pela WWF em todo o mundo com o objetivo de alertar as pessoas para o aquecimento global. A ação, que acontece no sábado, 28, às 20h30, propõe que pessoas, empresas e governos apaguem as luzes durante uma hora para mostrar ao restante do mundo que estão preocupadas com as mudanças climáticas provocadas pela intervenção do homem na natureza.

A manifestação é inspirada no "Earthour" - evento que fez com que todas as luzes de Sidney, na Austrália, se apagassem em 2007 - e que reuniu 2,2 milhões de pessoas, entre personalidades de Hollywood, lideranças locais, empresas e famílias. Em 2008, a edição da "Hora do Planeta" contou com a participação de 50 milhões de pessoas, em 35 países e 400 cidades pelo mundo; este ano a estimativa é que o projeto mobilize um bilhão de pessoas.

Esta é a primeira vez que o Brasil participa da ação, que já conta com o apoio de mais de 170 cidades e 62 países. Grandes capitais como São Paulo e Rio de Janeiro confirmaram participação na manifestação. Na capital paulista serão apagadas as luzes da Ponte Estaiada, Monumento às Bandeiras, Viaduto do Chá, Estádio do Pacaembu, Teatro Municipal, Obelisco, Parque do Ibirapuera, Edíficio Copan, Instituto Butantã, MAM (Museu de Arte Moderna), World Trade Center, Sheraton Hotel e Vivo. No Rio de Janeiro, as luzes do Cristo Redentor serão desligadas durante a uma hora de protesto.

Muitas empresas também anunciaram o apoio à causa. A Eldorado é a rádio oficial da campanha e até o dia do evento fará boletins durante a programação convidando os ouvintes a aderirem à ação. No dia 28, o Território Eldorado será simbolicamente apagado e um pop-up que escurecerá a tela convidará os internautas a fazerem o mesmo. O portal terá um espaço para "A Hora do Planeta", que contará com entrevistas e depoimentos de artistas e reportagens sobre o projeto em podcasts. A rádio também dará o exemplo, no horário marcado as luzes externas da sede do jornal O Estado de S. Paulo, onde ficam os estúdios da Eldorado, também serão apagadas.

A Art Cor Brasil é outra empresa que apóia o projeto. A marca desenvolveu camisetas customizadas que serão utilizadas na divulgação do evento. As peças foram confeccionadas com fio pet reciclado - ecologicamente correto - para entrar no clima da campanha.

Outra marca que participará da ação é a Cia. do Terno. No sábado, quem passar por uma das 85 lojas da rede em 14 estados e Distrito Federal, às 20h30, encontrará as portas fechadas, já que o expediente será encerrado mais cedo devido à ação.

O Itaú apagará as luzes dos relógios e pólos administrativos em São Paulo e no Rio de Janeiro, além de participar do ato que ocorre na Praça Victor Civita em parceria com a Editora Abril, WWF e a Prefeitura de São Paulo.

A Comunidade do Banco de Planeta também compartilha da causa. Na hora combinada, uma intervenção na página deixará a tela escura somente com uma mensagem informando o motivo da paralisação. A agência Age criou peças para incentivar a adesão dos membros da comunidade ao projeto e estimulou que eles tirem fotos da ação e enviem posteriormente à comunidade.

Toda a campanha publicitária da Hora do Planeta foi desenvolvida pela DM9DDB, agência que cuida da conta da WWF. O projeto de mídia foi dividido em duas fases: a primeira divulgou a participação do Rio de Janeiro no evento; a segunda entrou no ar no início de março e traz personalidades falando sobre a importância do ato para conscientizar a população. A WEBTraffic - em parceria com a DM9 e a WWF Brasil - foi a responsável por toda a divulgação do projeto, veiculando banners em diversos sites.


Fonte: Por Aline Bellatti, in www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …