Pular para o conteúdo principal

Fazendo barulho na web

Em 2007, um suposto cliente começou a espalhar na web informações falsas sobre a Porto Seguro, companhia de seguros e consórcio. Incluiu até informações incorretas sobre a empresa no Wikipedia. Pronto, foi o pontapé que faltava para a empresa começar a buscar conhecimento sobre sua atuação na web e a descobrir como era vista por lá. Para isso, firmou parceria com a E-Life, empresa de monitoração de blogs e redes sociais, e já em 2007 começou uma série de ações na web. “Procuramos formas de melhor posicionar a empresa na web, nos aproximarmos do cotidiano do consumidor e participar do diálogo”, disse Rafael Caetano, gerente de canais eletrônicos da Porto Seguro, durante o E-Life Day, evento que discutiu estratégias de relacionamento em mídias sociais, recentemente em São Paulo.

O Twitter vem sendo um canal muito usado pela empresa. Lá, a empresa mantém a página “Carros Usados”, com 298 seguidores, onde abre espaço para classificados de veículos usados particulares; e a “Atitude positiva”, uma campanha de sustentabilidade da seguradora com outros 394 seguidores. “O que impressiona no Twitter é a velocidade com que as coisas ocorrem e a qualificação das pessoas que estão lá”, ressalta Caetano. Essa velocidade foi sentida no último dia 08 de março quando a seguradora subiu uma campanha na home do site: um pop up trazia a pergunta “Quem dirige melhor?”, e duas opções: o homem, ou a mulher. Só que se o mouse corresse para apertar a opção “homem” uma mãozinha feminina batia no cursor e o forçava a clicar em “mulher”. Uma jornalista gostou da brincadeira e postou o link no seu twitter. Resultado: o site da Porto Seguro passou a receber um número maior do que o normal de visitas. “A partir dessa ação, passamos a imaginar outros desdobramentos e formas de interação”, revela Caetano.

A Tecnisa foi outro case do E-Life Day. Gustavo Reis, gerente de mídia online contou um pouco sobre a trajetória dessa construtora de 32 anos que conquistou o título de vanguardista em relacionamento na web. Tudo começou em 2001, quando foi implantada a área de web, totalmente autônoma e desvinculada de outras áreas tradicionais como marketing, tecnologia ou comercial. “Até então a comunicação do setor se resumia à boa e velha página dupla de jornal”, relembra Reis. A área alcançou brilho próprio: hoje, as vendas online representam 26% do faturamento da empresa. Muitas vezes, o consumidor compra o imóvel sem nem ir ao stand ou conhecer o corretor, é tudo via vídeo-atendimento, telefone e chat”, conta. Um feito e tanto, afinal um imóvel desses chega a custar R$ 500 mil – quantos deixam de comprar um simples cd na web?

O grande trunfo da área está em seu posicionamento agressivo em vendas, sem que isso apareça claramente para o consumidor. Pelo contrário, a abordagem está baseada na transparência e relacionamento. Em também parceria com E-Life, a construtora monitorou o comportamento na web para entender como se dá o processo de escolha, e saber quais atributos entram no processo decisório, para dar o tiro certeiro, afinal não estamos falando aqui de uma compra por impulso. “Queríamos também reforçar a marca já que o consumidor não consegue ver claramente a diferença entre as marcas em construção civil. Sabemos que reputação vende”. Uma das atitudes para facilitar a venda foi é disponibilizar, no próprio site, o máximo de informações possível, como valor do imóvel, condições de pagamento, mapas da região, plantas com metragem e datas de entrega. “Saímos do modelo tradicional de comunicação na web. Não é só banner”.

A construtora também mantém há três anos seu tão divulgado blog corporativo, um dos primeiros do Brasil. Lá estão informações referentes à empresa e ao setor (dúvidas sobre FGTS, dicas de decoração etc), e comentários dos consumidores. Reclamações também são aceitas. “Preferimos receber estas reclamações no nosso espaço do que ver ela pulverizada pela web. Gostamos da expressão ‘roupa suja se lava em casa´”, diz o gerente. No blog, links para outras comunidades mantidas pela empresa, como a do Flickr, onde posta fotos dos empreendimentos; e no You Tube, com vídeos de divulgação de lançamentos. Um deles já foi visto mais de 2.200 vezes. A Tecnisa também está no Twitter, com 212 seguidores. “A intenção é abrir frentes e criar o estímulo da compra”, revela Reis.

Pensando em ir além, a construtora quer aumentar o engajamento deste internauta. Não quer que ele apenas a siga em redes sociais. “Estamos recebendo, via Facebook, idéias para serem implantadas em um projeto de moradia para a terceira idade. Se gostarmos da ideia vamos premiar o autor com R$ 1.500”. Imagine o quanto essa premiação não vai viralizar pela web... Ou ainda, quantos não vão postar a novidade no seu twitter?


Fonte: Por Ticiana Werneck, in www.consumidormoderno.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …