Pular para o conteúdo principal

Invista nos funcionários para sobreviver à crise

Geoff Colvin, 55, autor do best seller americano Desafiando Talentos - Mitos e verdades sobre o sucesso (Editora Globo, páginas 228, R$ 32,80 ), defende a ideia de que talento não é um dom, mas resultado de persistência e longo treinamento. Editor da revista Fortune, Colvin veio ao Brasil recentemente para divulgar seu livro. Em entrevista à Pequenas Empresas & Grandes Negócios, ele aconselhou empreendedores a investir mais na capacitação dos funcionários, pois em tempos de crise, um desempenho brilhante é questão de sobrevivência.

O que o motivou a escrever o livro?
A existência ou não de talentos naturais é um assunto de meu interesse. Durante anos, sempre pensei a respeito disso, mas eram apenas pensamentos. Até que decidi escrever um artigo sobre o tema para a revista Fortune e descobri que existia uma série de pesquisas científicas dedicadas ao assunto. Então, publiquei o artigo e, para minha surpresa, recebi uma quantidade imensa de cartas e e-mails elogiando o tópico. Naquele momento, me dei conta que valia a pena detalhar o assunto em um livro, não só por ter material suficiente, mas por saber que podia ajudar muitas pessoas a se tornarem melhores.

Por que é tão importante saber como formar um talento?
É importante porque, geralmente, a vida das pessoas é dirigida por suas convicções. Se, por exemplo, você acredita que só pode ser bem-sucedido quem já nasce com o dom para realizar determinada tarefa, certamente você nunca tentará algo inusitado e nem irá superar seus limites. O que é extremamente desanimador. Por isso, é fundamental que o indivíduo saiba que, com foco e muita prática, é possível desenvolver potencialidades jamais imaginadas. Talentos são, na maioria dos casos, formados por aquilo que os pesquisadores denominam como prática deliberativa. Uma prática exaustiva em busca do aperfeiçoamento.

Em Desafiando o Talento, o sr. cita os exemplos de Mozart e do golfista Tiger Woods para mostrar que, na verdade, pessoas que identificamos como talentosas e que nasceram com um talento natural para brilhar são fruto de um treinamento duro praticado desde cedo. Dom não existe?
Alguns pesquisadores acreditam que não, mas prefiro não ser tão radical. Para mim, se talento nato existe, ele é muito menos importante para o sucesso do que a maioria de nós imagina. Tiger Woods começou a praticar golfe com apenas dois anos de idade. Seu pai era apaixonado pelo esporte e fez o possível e o impossível para tornar o filho um vencedor. Com Mozart aconteceu algo semelhante. Ele também teve forte influência paterna. Leopold Mozart era músico e criou um programa de treinamento intensivo para o filho quando ele tinha apenas três anos de idade. Vale ressaltar que não conheço nenhum caso de alguém que se tornou muito bom em determinada atividade antes de, no mínimo, dez anos de prática deliberada. Mozart e Tiger Woods começaram cedo e atingiram o ápice cedo, o que aos olhos de muitos os torna mais geniais ainda.


Fonte: Por Ana Cristina Dib, in empresas.globo.com/empresasenegocios
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …