Pular para o conteúdo principal

Metodologia avalia impacto de investimentos sociais

Como medir o efetivo impacto social das diferentes ações de responsabilidade social empreendidas? Como ultrapassar a abordagem restrita ao investimento per capita e abranger a multiplicidade de efeitos das ações sociais? Como dar conta dos efeitos das ações ao longo dos eixos espacial e temporal utilizando indicadores sócio-econômicos sem desprezar os atributos de imagem das corporações? As respostas não são fáceis e somente metodologias muito precisas podem colaborar no direcionamento dos investimentos no tema. É o que se viu na palestra “A Responsabilidade Social e a Pesquisa em Comunicação Corporativa”, desenvolvida pela socióloga e diretora da CDN Estudos & Pesquisas, Cristina Panella, em aula especial no Curso de Especialização em Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas/GestCorp da Escola de Comunicações e Artes da Universidade de São Paulo. O encontro reuniu mais de 40 profissionais de nove estados diferentes, integrantes da turma de pós-graduação.

A palestrante postula que avaliar programas de responsabilidade social significa não apenas identificar a destinação e a forma de utilização do dinheiro investido, mas também a viabilidade social do projeto no qual está se investindo, se os objetivos do projeto são operacionalizados na prática e, sobretudo, o que acontece com os beneficiários do projeto. Por isto foi desenvolvida a metodologia para elaboração do Relatório de Impacto Social – RIS, um método que abrange aspectos tangíveis e intangíveis. Segundo ela, o processo foi criado pela constatação da falta de métricas e de profundidade de análise para escolhas de aplicação de verba das empresas na área social. E o mais importante é a perspectiva de que “a gente não pode medir aquilo que não foi colocado como meta, como objetivo, mas tudo pode ser medido”. Um dos recados mais importantes da noite foi a proposta de mudança na compreensão do trabalho: pesquisa não é ferramenta, no sentido de que não se trata da aplicação de uma estrutura meramente técnica, mas sim conectada com a estratégia dos negócios. Neste sentido, a socióloga fala do “approach sistêmico”, significando uma comunicação eficaz estruturada de forma sistêmica, pensando sempre nas intersecções da comunicação institucional e mercadológica nos âmbitos interno e externo.

Enquanto a imagem reflete uma percepção de curto prazo e é baseada no impacto da comunicação como produto resultante da percepção de cada público, a reputação reflete uma percepção acumulada e sustentável a partir de julgamentos e sensações a longo prazo, cuja densidade é gerada pelos relacionamentos. Uma frase de Philip Kotler sustentou o pronunciamento - "toda empresa funciona num meio ambiente de públicos", o que evidencia a importância da administração de percepções, no sentido de determinar o peso real de cada opinião. Uma das estratégias de relacionamento com públicos é a inserção social empresarial, um terreno híbrido que envolve parcerias entre empresas, governos e organizações do Terceiro Setor para promoção do desenvolvimento com benefícios coletivos. Faz parte do processo que cada pólo consiga alavancar seus objetivos, tendo como base a consciência sobre a interdependência de ações. Para as empresas especificamente, o canal de entrada tem sido a motivação institucional, mas também como resultado de uma pressão social pela responsabilidade. De uma fase inicial em que havia até aversão a falar em resultados, as empresas agora entendem como preponderante a medição de impactos. Cristina detalha: "há preocupação com desempenho em eficiência (processo) e eficácia (alcance de resultados)", por isto não deve haver constrangimentos em agregar valor à marca. Utilizando a nomenclatura pra embasar sua visão, diz que as ações são sociais porque atingem a sociedade, são empresariais porque devem ser impulsionadas pelas áreas de competência da empresa e são responsáveis porque agem como transformadoras sociais. “É preciso sempre perguntar-se como as ações agregam valor à marca”, completa.

Raramente as análises estão situadas na visibilidade social do projeto e no real impacto junto aos beneficiários, o que vem sendo questionado pela opinião pública e pela imprensa. Mesmo setores internos dos investidores estão mais rígidos quanto ao retorno das ações. A partir da natureza e dos objetivos específicos do projeto a ser avaliado, correlacionados com a situação social sobre a qual o projeto incide, são selecionados indicadores de referência que permitem a comparação de situações ao longo do tempo de duração do projeto (o “antes” e “depois” de sua realização) Ela elenca alguns indicadores possíveis, dependendo do projeto: custo "per capita" da ação, índice de permanência do público no projeto, metodologia participativa na tomada de decisões, metas realizadas, modificações na renda familiar média, na escolaridade familiar e nas atividades de lazer e ainda criação de agentes multiplicadores das ações iniciadas. Os indicadores, em geral, devem ser singulares, mensuráveis, atingíveis, realistas e organizados no tempo. Têm ainda que ser pertinentes, alinhados à estratégia com gerenciamento de performance e transparentes, com legibilidade para entendimento e coleta dos dados, em metodologia que possa ser reproduzida por parceiros numa perspectiva diacrônica, ao longo do tempo e não pontual. “O método envolve observar, questionar-se, definir indicadores e medir”, resume a doutora.

As etapas de uma avaliação envolvem, entre outros passos, a definição de objetivo, com elaboração do briefing, e a discussão e escolha das técnicas de investigação para assegurar-se do tipo e do formato das análises, com ciência do alcance e dos limites. Passa-se para elaboração das questões e dos formatos de interação. A CDN avalia pensando em Zonas de Impacto Diferenciado (ZDI), que são pontos de alcance da implementação, cujos efeitos tendem a ser gradativos e ampliados, mesmo após o término final de um dado projeto. Todavia, a demanda crescente pela mensuração de resultados, apoiada nos valores envolvidos (cargos, verbas), acabou por propiciar a proliferação de índices concentrados na avaliação e medição, desconectados do diagnóstico e do planejamento. Na opinião de Cristina, “são coisas intrinsicamente ligadas. Os rankings e os números resultantes provocam a relativização das medidas, porque falta base de comparação”.

EXPERIÊNCIA - Cristina Panella é presidente e diretora técnica da CDN Estudos & Pesquisas. Doutora em Sociologia com ênfase em Comunicação pela Ecole des Hautes Etudes en Sciences Sociales/EHESS na França, ela é também Mestre em Antropologia Social e Cultural pela Sorbonne (Université René Descartes – Paris V) e em Formação à Pesquisa em Ciências Sociais pela EHESS. Tem grande experiência nacional e internacional nas áreas de consultoria, desenvolvimento e realização de pesquisas em comunicação, opinião e mercado. Sua bagagem teórica e técnica adquirida na França enquanto consultora, membro de laboratório de pesquisa CNRS e professora universitária, sustenta a elaboração metodológica de produtos específicos para o diagnóstico, a análise e a mensuração da imagem corporativa entre diferentes stakeholders de empresas e instituições, além de desenvolver abordagens e metodologias aplicáveis à comunicação corporativa em geral. No Brasil desde 1994, realizou diferentes estudos de comunicação, opinião e mercado em institutos (Datafolha, MCI e outros) e em equipe de profissionais de renome, além de participar da coordenação dos princípios teóricos de novas metodologias de pesquisa (audiência de outdoors, entre outras). Foi conselheira da SBPM – Sociedade Brasileira de Pesquisa de Mercado e professora de Teoria, Metodologia e Técnica de Pesquisa, além de Sociologia Geral e da Comunicação, na FAAP – Fundação Armando Álvares Penteado e no Centro Universitário Belas Artes de São Paulo. Atualmente, é professora das disciplinas "Pesquisa de Opinião e Mercado" e "Gerenciamento de Marketing" no INPG – Instituto Nacional de Pós-Graduação.

A atividade foi organizada pelo GestCorp, coordenado pela professora Margarida Kunsch. O curso visa basicamente a proporcionar aos participantes um conhecimento técnico-científico do campo da Comunicação Organizacional e das Relações Públicas, formando estrategistas e gestores com ampla visão da sociedade e suas interseções com as Ciências da Comunicação. Considerada como nova disciplina, a comunicação organizacional é uma necessidade crescente nas empresas contemporâneas, podendo se caracterizar como uma real questão de sobrevivência. Forma alunos desde 1999, e entre as publicações mais conhecidas – afora a disponibilização dos trabalhos na internet (http://gestcorp.incubadora.fapesp.br/portal/monografias) – está o livro “Gestão Estratégica em Comunicação Organizacional e Relações Públicas”, com 18 textos dos professores lançado pela Difusão Editora, e a tradicional Revista Organicom, criada em 2004 e distribuída semestralmente (www.revistaorganicom.org.br). O último número tratou de Gestão da Reputação. Para mais informações do curso, acesse http://gestcorp.incubadora.fapesp.br/portal ou solicite informações a gestcorp@eca.usp.br e 11-3091-4224.


Fonte: Por Rodrigo Cogo – Gerenciador do portal Mundo das Relações Públicas
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …