Pular para o conteúdo principal

Planejar é ter uma opinião e agir na convergência

Planejar é preciso. A seletividade dos consumidores, cada vez mais atentos a marcas, produtos e serviços que não primam pela responsabilidade de gestão, interfere em vendas e faturamento. Afinal, intervém diretamente na reputação. Por isto não é mais cabível dar passos que não sejam previamente pensados e testados. O Top de Planejamento Estratégico 2009 reuniu alguns dos principais profissionais do mercado para tratar de idéias e conteúdos para ampliar o conhecimento e fortalecer o repertório na hora de tomar decisões importantes. A precisão das informações, como fonte de respostas rápidas para as múltiplas demandas, é agente de profilaxia fundamental em tempos de crise e isto foi uma das principais do evento, que aconteceu em São Paulo/SP.

O isolamento da área de planejamento das agências de comunicação em relação aos demais setores internos, pressionados por prazos curtos e possibilidade mínima de análises mais aprofundadas para gerar insights mais focados, ocasiona um afastamento das pesquisas, do detalhamento de grupos de consumo e da observação de novos comportamentos. Para afastar-se deste encadeamento de erros, a administradora Carol Mello, diretora de Planejamento da Africa, busca disseminar um conceito prático da área: planejar significa ter uma opinião mas não um “achismo” e sim embasada em estudos focados, pesquisas e nos assuntos correntes nos meios de comunicação. Pressupõe, portanto, conhecimento e relevância num processo de relacionar as expressões da marca com as expectativas e estilos de um consumidor dentro de determinadas mídias. Ela alerta, contudo, que não há uma rotina que possa ser padrão, porque de fato cada projeto requisita um modus operandi. O planejador deve fornecer os elementos-base de criação, dentro dos objetivos de marketing, de mercado e de comunicação combinados para resolução da hipótese de problema ou impasse. “Mas não deve ser visto como um sistema infalível”, reconhece.

Entre as análises primárias, está a geração de diagnósticos de mercado, marca, comunicação e consumidor, buscando entender suas características com a maior profundidade possível. Parte-se daí para análises cruzadas que geram insights, passando por crivos de pertinência, maturidade e riscos. Carol acresce que “a decisão sempre busca equilíbrio entre ousadia e responsabilidade. Aí temos que saber vender este planejamento, esta idéia”. E deu algumas dicas no sistema de contar a idéia internamente na agência e depois no cliente, sendo que um recurso eficaz é iniciar pelo relato da criação final e só depois percorrer o caminho estratégico justificador. O tempo é sempre muito exíguo, e a objetividade e contundência são características fundamentais. Como indicadores para organizar estas apresentações, cita o tempo disponível, a profundidade exigida a partir do interlocutor e a crença efetiva na idéia. Para colocar os conceitos na prática, ela finalizou mostrando o case de renovação do posicionamento e da marca da Vale. “Foi um trabalho longo e que exigiu muito fôlego de seis diretores da agência e suas respectivas equipes. Tivemos que fazer uma imersão de cinco meses para entender a ferramenta Balance Scorecard e falar a mesma língua da empresa. A BSC monta mapas de estratégias de curto, médio e longo prazos, e conhecer estes processos garante à agência uma postura de parceria de negócios para não ficar restrita apenas à comunicação”, explica.

TRANSDISCIPLINAR - O publicitário da GP7 e diretor de marketing da CVC, João Fernando Vassão, aponta um momento delicado no dia-a-dia do marketing, porque os orçamentos são regulados por diretores financeiras e CEO’s e várias decisões não ficam mais sob responsabilidade do setor específico. Além disto, marketing virou sinônimo de publicidade, perdendo a abrangência de seu exercício, e também passou a ser associado muito fortemente à enganação ou a aspectos técnicos e não reflexivos e estratégicos. Pelo lado das agências, a situação não é muito distinta, tendo perdido muito poder de influência e por isto são acionados somente após várias etapas de planejamento já cumpridas, precisando ficar restritas a opções instrumentais. Ele também vê uma migração de grandes talentos para áreas mais especializadas, saindo deste foco de indústria criativa. “A grande questão é conseguir chegar na criação de valor, na linguagem dos resultados. Viramos muito mais um diplomata, em permanente negociação”, analisa. Explicando, isto significa estar preparado para discutir a qualidade do produto, embalagem, logística, relacionamento com distribuidores e representantes, relacionamento com clientes, sempre analisando cenários futuros, ambiente concorrencial, fidelização e ciência sobre vários aspectos de múltiplos setores do conhecimento.

A discussão agora parte para um modelo complementar que pensa na reputação, e portanto atuando num cenário mais amplo e complexo. A “criação de valor” vem de uma composição de performances a econômica e a reputacional que buscam as estabilidades financeira e institucional. A parte monetária atrai investidores, já a etapa corporativa consegue atrair talentos e parcerias de qualidade, com extensões mais duradouras. Vassão registra que “é este conjunto que mantém a saúde da empresa”, e cita vários mitos que envolvem o segmento. Para ele, uma boa comunicação não sustenta sozinha um negócio, mas também não pode ser inexistente. É preciso entender o DNA da organização, mas não adiantam só discursos sem praticar as crenças.

A apresentação foi finalizada com o case “Pra todo mundo tem uma CVC”, da empresa de viagens que possui 300 lojas em 108 cidades, contando com mais de 1000 vendedores próprios e 7 mil agentes de viagem. Sua intenção é ter uma percepção de marca “taylor-made” e universal, bem diferente da imagem popular que acabou alastrada. Houve a instalação de um serviço de qualidade que investe em monitoramento constante de todas as etapas do negócio, incluindo fornecedores e destinos. Uma média de 500 questionários são aplicados por destino por semana, com exigência de 90% de satisfação. Isto porque a idéia é cuidar do produto, dado que o enfoque não pode ser somente na comunicação. O diretor relata que o reposicionamento não prevê sua saída do mercado popular, porque significaria um preconceito incompatível com a diversidade da população brasileira, e seria incongruente com a missão expressa da companhia de dar acesso aos sonhos de viagens de todos. Ele anunciou o lançamento breve de um blog e a criação de comunidades de compartilhamento de fotos, vídeos e depoimentos sobre as viagens, dando mais longevidade à experiência e suscitando laços entre as pessoas em sua plataforma institucional.


Fonte: Por Rodrigo Cogo - Gerenciador do Portal Mundo das Relações Públicas
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …