Pular para o conteúdo principal

Projeto tenta acabar com cópias ilegais nas universidades

As cópias de capítulos de livros como fonte de estudo é prática comum dos alunos das universidades do Brasil, que têm à disposição, nas salas de xerox da faculdade, fragmentos das publicações que são cobradas pelos professores em provas e outros trabalhos. Como os autores e editoras não recebem os direitos autorais por essa circulação, a Associação Brasileira de Direitos Reprográficos (ABDR) tomou uma iniciativa para acabar com o impasse e legalizar a situação nas instituições de ensino. Iniciado em 2005, o projeto 'Pasta do Professor' começou a ser implantado gradativamente a partir de 2007 e tem como proposta acabar com a reprodução ilegal do conteúdo didático.

Apoiada pelas principais editoras do País, a ação consiste em disponibilizar o conteúdo dos livros de forma fracionada para que o estudante não tenha de pagar pela obra inteira, já que a necessidade é de alguns capítulos. Dessa forma, o valor é pago em um ponto de venda, onde o aluno retira o material selecionado previamente de uma pasta virtual. No preço, estão incluídos os direitos autorais e o custo da impressão do material. “Existe uma demanda por fragmentos, e a cópia ilegal é uma tendência dessa demanda não atendida. Os alunos precisam de pedaços de livro e a palavra-chave do projeto é fracionamento”, explica Bruno De Carli, diretor do Pasta do Professor na ABDR.

A iniciativa ainda levanta suspeita de alguns alunos quanto ao acréscimo no preço a ser pago pelas cópias dos capítulos. No entanto, ao serem questionados, eles demonstraram interesse pelo projeto, como conta Luísa Pereira, estudante de arquitetura da Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). “Acho certo desde que não seja muito caro, pois acho importante reconhecer o trabalho dos autores. Mas me preocupo com o controle dos recursos arrecadados, se eles realmente chegarão às editoras e aos profissionais”, questiona a aluna.

De acordo com De Carli, a verba recolhida é repassada pela ABDR para as editoras. “As principais editoras do Brasil fazem parte do projeto e correspondem a 60% das publicações lidas nas universidades. O projeto é uma iniciativa que classifico como ‘do bem’, que atrai interesse de todos os públicos”, afirma.

Segundo Luciano Castro, gerente de Marketing da Jorge Zahar Editor, desde os anos 70, quando a demanda por xerox chegou às universidades, a organização sofre com a concorrência desleal. “A Zahar deixou de publicar diversos autores, porque é impossível competir com o xerox. Se o livro não tem vida comercial, ele deixa de ser publicado. Por isso, acreditamos no projeto, que prova que o mercado editorial está repensando seu modelo de negócios”, conta o executivo.

Apesar de a 'Pasta do Professor' já estar implantado em algumas faculdades, como a PUC-Minas, que reúne quase 55 mil alunos, a editora Zahar ainda não recebeu recursos do projeto. “Não nos beneficiamos ainda, pois os contratos precisam ser renegociados para essa nova forma de venda”, justifica Luciano.

Em uma comparação com o mercado de música, que passa por processo semelhante ao editorial com a venda de faixas musicais on-line separadas, ele defendeu a valorização dos escritores. “O autor não faz show como o músico, portanto, sem recursos, ele simplesmente vai parar de produzir conhecimento”, finaliza.


Fonte: Por João Casotti, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …