Pular para o conteúdo principal

Salva vidas em temporada de crise

Dizem os mais experientes que é preciso extrair, até das notícias ruins, algo de positivo. Esse ensinamento se aplica de maneira exata à crise mundial, que trouxe instabilidade econômica, retração da economia e muita insegurança entre o empresariado nacional. Mesmo assim, diante desse verdadeiro caos o segmento de marketing tem uma oportunidade única de aproveitar esse momento para se posicionar, de uma vez por todas, como um verdadeiro aliado estratégico.

Em tempos de crise, as empresas "apertam seus cintos" com o objetivo de cortar gastos. Essa é uma tendência natural, independente do segmento de atuação. A crise, como era de se esperar, acabou gerando uma postura de desconfiança entre os empresários, que preferem postergar iniciativas que envolvam investimentos. No entanto, embora o cenário pareça inoportuno, temos uma brecha extremamente interessante para que os profissionais da área de marketing demonstrem como um plano bem estruturado, especialmente que envolva publicidade on-line ou digital, pode otimizar custos e contribuir para a formação ou consolidação de uma marca.

Atualmente, com um cenário cada vez mais competitivo, diversos fatores fazem a diferença e tornam uma empresa líder em detrimento de outras. Assim, uma das maneiras mais eficientes de traçar uma percepção correta do segmento em que se atua, definir concorrentes e diagnosticar as demandas do público-alvo é estruturar um plano de marketing que ofereça essas e outras respostas essenciais para a perpetuação de qualquer negócio. Vale lembrar que o marketing não é uma área isolada dentro das organizações. Ao contrário: deve estabelecer vínculos com outros setores, já que seu objetivo é trazer resultados para a empresa. E tarefa tão importante dificilmente se alcança sozinho.

Além de se manter atento às oportunidades, o profissional de marketing precisa, sobretudo, desenvolver mecanismos de inovação que possam criar atributos de diferenciação para a companhia que representa. Ganha nesse mercado quem conseguir ser diferente e propor novos modelos para substituir as velhas fórmulas sem efeito. Nesse contexto, certamente terá vantagem quem investir e apostar em publicidade on-line e marketing digital. A Internet, nesse sentido, é uma das ferramentas mais poderosas para o marketing.

É inegável o poder que a Internet exerce no mundo contemporâneo. Prova disso está na pesquisa da consultoria JupiterResearch, que indicou que o número de usuários de internet vai chegar a 1,8 bilhões de pessoas em 2012, um quarto da população mundial. A perspectiva é otimista, já que o número de internautas deve continuar crescendo a cada ano, impulsionado pela expansão das redes de banda larga e contínuo crescimento do acesso à Internet por dispositivos móveis.

Outro dado importante e interessante para os profissionais de marketing refere-se ao número de internautas que acessaram a web a partir de casa. A contagem surpreendeu em dezembro ao mostrar crescimento sobre novembro, segundo a empresa de medição Ibope/NetRatings. Ainda de acordo com os últimos levantamentos da companhia, o Brasil mantém-se entre o primeiro e segundo país do mundo em tempo de navegação. O usuário brasileiro passa, em média, 23 horas por mês conectado.

Nesse contexto, o mobile marketing e qualquer modalidade de publicidade digital tornam-se grandes depósitos para quem não pode deixar de investir, mas teve sua verba reduzida em função da crise. Essa constatação ganha ainda mais força se levarmos em consideração a pesquisa divulgada pelo Gartner: até 2010 cerca de 350 milhões de pessoas terão acesso a e-mails a partir de dispositivos móveis, o que representará cerca de 20% das contas de e-mail existentes no mundo.

Diante desse cenário, é função do marketing repensar e propor novas estratégias comerciais, desenvolvendo, por exemplo, versões customizadas de seus produtos e serviços para utilização a partir de um dispositivo móvel. Esse modelo, além de ampliar o relacionamento da empresa com o seu público-alvo, pode oferecer facilidades na hora de mensurar o retorno de uma campanha e calcular o ROI (Retorno sobre o Investimento).

Atualmente existem métricas precisas para avaliação dos resultados de campanhas on-line, o que possibilita às empresas caminhos alternativos para um investimento, além da compra de um espaço no mundo digital. É preciso valorizar ainda os principais diferenciais do canal, que é seu amplo poder de viralização do conteúdo. Outro atrativo é o fato de funcionar como uma mídia de massa com possibilidade de trabalhar um público segmentado.

Com a turbulência mundial, os empresários anseiam por respostas na difícil tarefa de cortar custos e otimizar investimentos. Ao contrário do que se imagina, o caminho das pedras pode ser muito óbvio. Basta um clique para perceber que em temporada de crise, as mídias digitais são a grande aposta. E quem "nadar" contra essa maré tem boas chances de morrer afogado.



Fonte: Por Heloisa Ticianelli - gerente de negócios da Evermedia, in www.clientesa.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …