Pular para o conteúdo principal

Unilever: marketing social que gera benefícios

Como sintonizar sua empresa à necessidade de práticas sustentáveis sem comprometer resultados? Simon Clift, chief marketing officer da Unilever, demonstrou essa manhã no painel de abertura da WFA/ABA Global Advertiser Week como a multinacional tem adotado tais práticas de forma bem sucedida em suas diversas linhas de produto. No case que mais cativou a platéia, Clift contou sobre um programa adotado na Índia pela marca de sabonete Life Buoy que em cinco anos visitou 44 mil vilarejos no interior do país ensinando as comunidades os benefícios de se lavar as mãos com o produto antes das refeições e após uso de sanitários. Mais de 100 milhões de pessoas, sem acesso à mídia eletrônica, foram diretamente beneficiadas pelo programa reduzindo em 32% a mortalidade causada pela diarréia, que poderia na maioria dos casos ser prevenida com o simples ato de lavar as mãos.

Clift contou que William Lever, um dos fundadores da corporação, fez uma iniciativa semelhante na Inglaterra vitoriana em 1895 onde começou a incentivar o uso do sabonete que sua empresa fabricava para evitar a diarréia entre outros problemas e estimular a higiene. "Aquela Inglaterra não era muito diferente de partes da Índia que encontramos hoje. Isso mostra que esse comprometimento da Unilever com o bem estar social sempre foi um dos componentes do marketing da empresa desde seus primórdios", disse Clift, que revelou à platéia ter adotado um adolescente brasileiro em sua passagem no Brasil nos anos 90. Com a marca Dove, a linha seguiu a valorização da beleza real chamado "Self Esteem Fund" que foca sua comunicação na insegurança de adolescentes e jovens mulheres com sua própria beleza.

Na área de alimentação, programas de incentivo à alimentação saudável também estão na pauta como uma série de 13 programetes de cinco minutos produzidos em parceria com a Discovery Kids que os veicula em alguns países. Clift também contou sobre as políticas de incentivos da Unilever aos plantadores de chá que fornecem suas folhas para a produção da marca Lipton, destacando em seus pontos de venda que a compra do produto ajuda trabalhadores em países africanos e asiáticos. "Compramos hoje 4% da produção mundial dessa matéria prima", afirmou.


Fonte: Por Robert Galbraith, in www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …