Pular para o conteúdo principal

Você acredita na comunicação que faz?

Integridade é a qualidade de ser íntegro e de estimar a honra. Esse valor, muitas vezes, é confundido com a ética, que está relacionada à conduta moralmente correta, do ponto de vista humano. A integridade é algo muito mais pessoal, desenvolvido ao longo do amadurecimento pessoal, uma vez que representa a individualidade. Ética todos têm, o que difere é a visão das pessoas sobre a ética propriamente dita. Pode ser antiético jogar lixo na calçada do vizinho, mas deixar o lixo devidamente ensacado encostado no poste que, coincidentemente, encontra-se na calçada do vizinho, já é outra história...

Contudo, a pessoa verdadeiramente íntegra não define suas atitudes a partir do outro, e sim pelo que ela realmente considera moralmente correto. Mas não é o caso discutir a integridade de cada um, a questão é: integridade profissional vale a pena? Especificando ainda mais, até que ponto o profissional de comunicação é íntegro?
De acordo com o Código de Ética das Relações Públicas (Artigo 2º, Seção I): “Ao profissional de Relações Públicas, é vedado admitir práticas que possam levar a corromper ou a comprometer a integridade dos canais de comunicação ou o exercício da profissão.” Ou seja, o comprometimento com a integridade no ambiente de trabalho é fundamental para não prejudicar a imagem dos meios de comunicação, tanto privados quanto públicos. Portanto, há uma preocupação constante com as práticas e decisões da comunicação para não denegrir os próprios instrumentos de trabalho. Mas até que ponto estamos preocupados em não difamar a própria imagem do comunicador?

Preocupar-se com a imagem da empresa no mercado, fortalecer suas necessidades junto ao governo e à comunidade, buscar novos caminhos para ampliar o mercado e a cartela de ativos, satisfazer as necessidades do público interno e despertar o orgulho de pertencer. Já reparou como incorporamos mais a empresa/cliente do que a nós mesmos? Com certeza, você já ouviu boatos e comentários a respeito da má utilização de recursos e falta de caráter de um ou outro profissional da comunicação (que, olhe lá, nem sempre são daqueles de “raça”). O que acho ainda mais alarmante é a falta de comprometimento com a integridade da profissão e o excesso de comprometimento com o sucesso do cliente. Pode ser exagero, mas “água mole em pedra dura, tanto bate até que fura”. Eu não esperaria a pedra furar para ver o que vai acontecer...

Mas não vamos exagerar. Sabemos que não foram, nem são, tantos os (não) profissionais que trabalham em função da própria moral em detrimento da verdadeira integridade. Esta é apenas uma reflexão, afinal, quem deve acreditar na competência da comunicação não são os clientes, empresas ou governos. Quando se sabe o que se faz e se compromete com isso, a confiança vem como consequência ou então por osmose. Como preferir.


Fonte: Por Carla Vicentini, in www.nosdacomunicacao.com
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …