Pular para o conteúdo principal

Agregador de campanhas publicitárias

Transformar um monte de quadradinhos em uma ação de marketing parece impossível, mas não é. Idealizado no Japão em 1994, o QR Code começa a ganhar notoriedade no mercado publicitário brasileiro. A ferramenta é considerada uma evolução de um código de barras convencional, pois armazena não só informações numéricas como também de texto. Para que uma pessoa possa saber o significado da figura, basta instalar um software leitor de QR Code em seu celular de forma gratuita.

O código, que significa Quick Response (resposta rápida), começou a ser utilizado na indústria automobilística asiática e logo embarcou para o mundo da publicidade. No Brasil, a ferramenta passou a figurar em anúncios no final de 2007, em uma campanha criada pela Dentsu Latin America para a Fast Shop. Ao desvendar o código, o cliente concorria a prêmios.

Segundo Alexandre Mutran, diretor de atendimento da Dentsu Latin America, a ferramenta pode ser utilizada de inúmeras formas. "O código pode ser um texto, um número de telefone ou SMS para uma determinada promoção, um link para um site normal ou site móbile, um game, entre outras possibilidades. Considero o QR como uma ponte do mundo real para o mundo virtual", diz.

No primeiro semestre do ano passado, a Dentsu promoveu a cerveja NS2, da Schincariol, no São Paulo Fashion Week. Na ocasião, promotores da empresa emprestavam seus celulares com software leitor para que os visitantes encontrassem brindes em um painel lotado de códigos. Entre os prêmios estavam doses da bebida e camisetas customizadas. "O QR code não é tão poderoso se atuar de forma isolada. O ideal é utilizá-lo como colaborador para potencializar uma campanha", afirma Mutran.

Outra ação desenvolvida pela Dentsu foi com a Nestlé, no segundo semestre de 2008. A campanha "Torce Por Você" possuía um site com quiz e jogo virtual via Bluetooth para duas pessoas. Mutran destaca que a maior barreira para a utilização da tecnologia é a adoção. "Nem todas as pessoas possuem o software leitor instalado em seus aparelhos celulares, por este motivo as ações promocionais em ambientes controlados são ideais para a utilização do QR Code", pontua, destacando que o custo da utilização da ferramenta não é alto.

Durante o Salão do Automóvel, em novembro do ano passado, a Volkswagen aproveitou o QR Code para uma pequena ação em seu estande. O Jornal A Tarde, de Salvador, Bahia, também tem usado o código desde dezembro de 2008.

Parceiro tecnológico
A SupportComm, empresa provedora de serviços voltados ao mobile marketing, atua como parceira das agências em campanhas que utilizam o código bidimensional. "O QR Code é uma das ferramentas do nosso portfólio e sempre desenvolvemos a parte técnica em conjunto com a agência, dificilmente atuando diretamente com o anunciante", explica o diretor comercial, David Carvalho.

Nas peças que anunciaram o C4 Picasso, da Euro RSCG Brasil para a Citroën, a SupportComm criou o código que remetia o consumidor ao vídeo do automóvel. A empresa também desenvolveu o QR Code na campanha de Natal da F/Nazca para a Claro. A figura estava impressa em folhetos dos pontos-de-venda e anúncios para jornal e revista.

Para conseguir decifrar o código, o cliente da operadora enviava um torpedo com a palavra "Escolha" para o número 250 e baixava, gratuitamente, o leitor no seu celular. Após a instalação, a pessoa apontava a câmera para o QR Code e recebia um link para baixar de graça a trilha da campanha. Quem não fosse cliente Claro era direcionado para um site wap com informações sobre as promoções especiais da operadora para o Natal.

Para Carvalho, as empresas estão começando a utilizar o mobile marketing em suas ações publicitárias. "Este é o ano do mobile marketing, pois existe uma enorme demanda. Basta uma padronização das operadoras para que este mercado deslanche", opina o executivo.

A Spring Wireless, que recentemente adquiriu a Okto Mobile Ideas, já realizou três pilotos de QR Codes com empresas conhecidas. Até o momento, o único case da empresa é o próprio cartão de visita institucional.

Carlos Domingues, diretor de soluções de mobile marketing e mobile entertainment da Spring Wireless, destaca que a adesão por parte dos anunciantes é baixa pelo fato da tecnologia ainda ser pouco conhecida. "O mundo ideal do mobile marketing é entender o objetivo do negócio. O QR Code não trabalha sozinho e deve ser integrado a uma campanha. A Spring, por exemplo, vende o serviço de forma correta para não gerar frustração ao cliente", conta Domingues.

Anúncios Institucionais
O curioso anúncio da QG Propaganda veiculado na mídia impressa em setembro do ano passado mostrava um QR Code com a seguinte frase: "Se você não consegue ler esta mensagem com a câmera de seu celular, ligue que a gente explica". A pessoa que tivesse o software leitor podia decifrar o texto: "Todas as novidades em tecnologia para sua marca".

Marcello Droopy, diretor de criação da QG Propaganda, esclarece quais eram objetivos com o anúncio institucional. "Usamos o QR Code na obra para provocar os clientes e vender nosso peixe. Recebemos diversas ligações de curiosos", destaca, informando que a agência ainda não utilizou a ferramenta em peças publicitárias, mas conta com projetos em andamento.

"Hoje não dá para utilizar o QR Code sozinho em uma campanha, a não ser que tenha público e produto específico. O código entra como ferramenta e agrega muito mais valor do que custa", completa Droopy.

Outra empresa que utiliza a tecnologia para obras institucionais e promocionais é a Impacta Tecnologia. Na campanha "Comunique-se com QR-Code", que terá início na próxima quinta-feira, 2, todas as pessoas que comprarem alguns dos treinamentos oferecidos pela companhia nas áreas de TI e design e decifrarem o QR Code em um dos anúncios impressos receberão camisetas personalizadas de acordo com a área escolhida do curso.

Com abrangência nacional, a campanha será veiculada nas revistas Info Exame, Digital Design, WebDesign, CaDesign, Design Gráfico, Publisher, Photoshop Creative e no jornal Folha de S. Paulo. Caso o celular utilizado não permita a visualização, a Impacta indica o site http://reader.kaywa.com/register para baixar o software.

Para Rodrigo Braga, diretor executivo da Peopleway, empresa de interatividade digital, o mercado de mobile marketing comemora mais este novo canal de comunicação que promete agregar valor a ferramenta e estimular ainda mais o uso do celular em ações promocionais e campanhas interativas. "A vantagem do QR-Code é o fator surpresa. Ele tem um 'q' de mistério, onde o usuário não tem a menor de idéia do que vai encontrar lá, mas vai fazer de tudo para descobrir", comenta.


Fonte: Por André Lucena, in www.meioemensagem.com.br
Postar um comentário

Postagens mais visitadas deste blog

A relação entre empresas e clientes

Atender as necessidades do consumidor é um dos princípios básicos do Marketing. E o que mais as pessoas precisam hoje, para além da relação de compra, é de relacionamentos positivos com uma marca. Especialistas apontam três requisitos essenciais na relação entre as empresas e seus clientes: confiança, diálogo e reconhecimento.

Alguns especialistas são categóricos em afirmar que nem mesmo o consumidor sabe o que quer. Por isso, toda empresa deve estar atenta para atender as demandas reprimidas. Mas, num cenário em que produtos e serviços são semelhantes, o que vai diferenciar uma marca da outra é a experiência positiva proporcionada em todos os contatos com um produto ou serviço.

A Coordenadora da Área de Marketing e Negócios Internacionais do Coppead/UFRJ, Letícia Casotti, informa que os antropólogos dizem que somos uma “sociedade relacional”. “Damos muita importância a relacionamentos e somos um povo fácil de estabelecer relacionamentos. Mas, por outro lado, observam-se empresas cada …

Muito além do lucro: empresas precisam de propósito para criar valor para os stakeholders

O principal motor do sistema capitalista é o capital. Melhor dizendo, o lucro, que Karl Marx cunhou de forma crítica como mais-valia. Desde a concepção do sistema, entretanto, muita coisa aconteceu - da queda do muro de Berlim e dos regimes comunistas à chegada da Geração Millennial ao mercado de trabalho - e tornou cada vez mais iminente a necessidade de revisão daquele guia original dos negócios, representado por cifrões. Hoje, as empresas despertam, pouco a pouco, para a importância de se buscar propósitos mais nobres para as suas atividades, enxergando o lucro como resultado e não como objetivo maior.
A nova mentalidade, entretanto, não pode se resumir a uma maquiagem para levar a organização ao sucesso na nova era, e esse é um dos desafios assumidos por Raj Sisodia, Cofundador e Copresidente do Instituto Capitalismo Consciente, que esteve no Rio de Janeiro na última semana durante o evento Sustainable Brands.
A entidade sem fins lucrativos criada por Sisodia já está em seis países,…

Em busca de economia, consumidor troca lojas físicas por virtuais

No primeiro semestre, ao todo, mais de 17 milhões de brasileiros fizeram ao menos uma compra em lojas virtuais do país. O setor apresentou um faturamento de R$ 18,6 bilhões, segundo o relatório da WebShoppers. O destaque do período foi o maior volume de vendas de eletrodomésticos e telefonia/celular - produtos que pela cultura do país eram comprados em lojas físicas.
Segundo Adriano Caetano, especialista em e-commerce e diretor da Loja Integrada, a mudança de comportamento é reflexo da nova organização do orçamento. "Com a crise, a população acaba poupando mais dinheiro e a internet é uma forma de economizar. É mais fácil pesquisar preços e formas de pagamento, e possivelmente encontrar um preço mais barato que a loja física", explica Adriano. Na Loja Integrada, por exemplo, o aumento nas vendas entre as micro e pequenas empresas chegou a 40% em relação ao ano passado, número na contramão da recessão da economia.
Para o especialista, o destaque nestes segmentos de vendas está …